www.amazon.com.br/gp/product/B00WQ3MHKU?%2AVersion%2A=1&%2Aentries%2A=0

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

COREIA E IRÃ PRONTOS PARA A GUERRA

EDU

Coréia do Norte, Irã e aliados prontos para a Guerra!

Mega Atualização do Sempre Guerra: Novidades nesta semana são desanimadoras, Nações correm para a guerra, ninguém aprende mesmo com a História, acompanhamos mais um capítulo vivo.

Coreia do Norte qualifica seu arsenal nuclear como 'preciosa espada'

A Coreia do Norte afirmou neste domingo que seu arsenal nuclear serve como uma "preciosa espada", no momento em que informações não confirmadas garantem que Pyongyang se prepara para realizar um terceiro teste nuclear.

Esta declaração coincide com a visita à Coreia do Norte de uma delegação militar chinesa e com os preparativos para a sucessão do líder Kim Jong-il.
A Coreia do Norte "estava inteiramente em seu direito quando optou por ter acesso à arma nuclear", comentou a agência de imprensa norte-coreana KCNA, acrescentando que o país comunista precisava se proteger.

A Coreia do Norte justifica desde sempre seu programa de armamento nuclear pela possibilidade de combater uma ameaça similar dos Estados Unidos. "O Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) não cumpre seus objetivos", acrescentou no sábado à noite a agência KCNA. "Isto obrigou a Coreia do Norte a sair do TNP (em 2003) e iniciar uma dissuasão nuclear legítima para proteger sua soberania e segurança", continuou a agência.


O jornal sul-coreano Chosun Ilbo, o de maior tiragem do país, informou na quinta-feira que a Coreia do Norte parecia se preparar para um novo teste nuclear, citando uma fonte governamental não identificada. Segundo o jornal, satélites americanos detectaram movimentos de pessoas e veículos no local onde Pyongyang realizou seus dois primeiros testes nucleares.

Fonte: Terra

Guardian.Co: Conflito com Irã está se aproximando


Os EUA estão em silêncio e com sua pressão econômica sobre o Irã em meio a sinais de que as negociações sobre o suspeito programa nuclear de Teerã poderia retomar no próximo mês. Estes dois acontecimentos podem ser conectados. Mas nem sanções, nem a diplomacia pode evitar totalmente a possibilidade temor de um confronto militar, a menos que algo mude em breve no coração do regime fundamentalista do Irã.

A unidade de aplicação de sanções de Washington enfrenta dificuldades consideráveis. "Maquinações" do lado chinês, há uma resistência às medidas na Turquia e no Iraque, onde o Irã exerce influência considerável. A Turquia, por exemplo, depende de Teerã por cerca de um terço das necessidades energéticas do país. No Iraque, o primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, parece depender de Teerã por seu trabalho.
Falando no início deste mês, Shamseddin Hosseini, o ministro das Finanças do Irã, admitiu que as sanções causou "algum tipo de problema para nós". Mas ele insistiu que o Irã tinha grandes reservas de moeda forte e se superar todos os obstáculos os EUA e outros previstos em seu caminho. "O mundo é grande, e as pessoas que estão trocando [conosco] encontrar formas de transferência de dinheiro", disse ele. "Ao bloquear o fluxo de água, vai um outro caminho."

Como se para sublinhar a sua determinação de não ceder, o Irã anunciou nesta quarta-feira que o seu programa de enriquecimento de urânio a 20%, o foco das preocupações das armas nucleares dos EUA, estava avançando em ritmo acelerado . Seu estoque passou para 30 kg e está em constante aumento. Teerã também disse que pode voltar as negociações paralisadas nuclear no próximo mês. Mas, como sempre, parece provável para tentar limitar o escopo das discussões de maneiras os EUA e os parceiros podem achar inaceitável.

Mesmo se as negociações não recomeçarem, poucas pessoas seria temerário o suficiente para sugerir que eles vão conseguir um avanço depois de tantas decepções do passado. Apesar de toda a pressão e, apesar de alguns sinais positivos nos últimos meses, há pouca ou nenhuma evidência até agora de que a liderança do Irã está disposto, ou pode ser forçada, a alterar radicalmente as suas formas. A postura provocativa de Ahmadinejad no Líbano na semana passada, que fez bastante clara. E assim o rolo compressor do pavor de confrontação direta e física está cada vez mais estreita.


Vídeo de Fidel Castro contra a Guerra Nuclear:

http://www.youtube.com/watch?v=8ocMAxlMxwI&feature=player_embedded


China se prepara para a Guerra: Navios são enviados para as ilhas disputadas por Japão


A China voltou a mandar barcos de patrulha às imediações do arquipélago disputado por Tóquio e Pequim, após a crise diplomática entre os dois países devido à apreensão de um pesqueiro chinês na área, informou nesta quarta-feira a imprensa japonesa.
Estas ilhas desabitadas, conhecidas como Senkaku no Japão e Diaoyu na China, são administradas por Tóquio, mas China e Taiwan também reivindicam soberania sobre o território.

No começo de setembro, a apreensão do barco chinês pela Guarda Costeira japonesa perto do arquipélago, no Mar da China Oriental, desencadeou um grave atrito diplomático entre os dois países.

Nesta quarta-feira (20) , a agência de notícias japonesa Jiji informou que a China enviou uma patrulha para a região com a missão de "proteger os direitos legítimos dos pescadores chineses".

Fonte: Google Notícias/AFP



OTAN critica UE e Turquia: Desentendimento prejudica Cooperação Militar

A disputa entre a União Europeia e a Turquia sobre Chipre está prejudicando a cooperação militar com a OTAN e desperdiçando o dinheiro dos contribuintes, disse o chefe da Aliança na quinta-feira.

"Estamos totalmente de acordo é importante para eliminar os últimos obstáculos para alcançar o pleno potencial da cooperação", Anders Fogh Rasmussen, disse após uma reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros grego Dimitris Droutsas.


"No cenário, onde a OTAN e a UE operam em conjunto, devemos ser capazes de cooperar. Quando se trata do desenvolvimento das capacidades militares, que devem cooperar para evitar o desperdício de dinheiro dos contribuintes", disse ele


Rasmussen criticou a UE por não chegarem a um acordo de segurança com a Turquia, Ancara e por sua recusa em reconhecer o governo greco-cipriota.


A ilha do Mediterrâneo oriental de Chipre foi dividida entre um norte ao sul da Turquia e Grécia desde 1974, quando a Turquia invadiu e ocupou a ilha do norte em resposta a um golpe de Estado cipriota grego.


Os cipriotas gregos do Sul reconhecido internacionalmente aderiram à UE em 2004. A Turquia se recusa a reconhecer o seu governo e, em vez disto, reconhece a separatistas estadozinho cipriota turca no norte do país.


A espera tem levado a Grécia e Chipre se oporem a qualquer participação turca no desenvolvimento da Política Europeia de Segurança e Defesa (PESD), enquanto a Turquia bloqueou os cipriotas gregos de juntar-se reuniões da UE-OTAN e de tomar parte nas missões PESD usando a inteligência da OTAN e recursos.


A Turquia é membro da OTAN, única muçulmanos, tem o segundo maior exército da aliança.


COMO ATACA A SUPER BACTÉRIA?

EDU DALLARTE

Superbactéria ataca pessoas com sistema imunológico debilitado - Vai uma vitamina D aí?

Bactéria KPC
Nas últimas semanas, a super-bactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC), resistente a quase todos os antibióticos, vem aparecendo nos noticiários, e cada dia aparece novos casos suspeitos.

Esta situação me remete a abril do ano passado, quando o vírus H1N1 estampava as capas de jornais pelo mundo inteiro, e praticamente cada morte era alardeada nos noticiários com se fosse o fim do mundo. A diferença desta vez é se trata de um bactéria que não é nova e o grande foco se encontra no Brasil. Nos EUA também há uma certa preocupação com a superbactéria, com um número de casos crescente em Chicago.

Hoje neste domingo, o ministro da Saúde José Gomes Temporão pediu tranquilidade em relação à proliferação da superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KCP): "A população fique tranquila porque essa é uma situação que acontece apenas em ambiente hospitalar e em pacientes debilitados — disse ele após participar de encontro na capital paulista sobre a definição de diretrizes para minimizar o risco cardíaco em pacientes em tratamento contra o câncer"

Não podemos ainda afirmar se
a preocupação é legítima ou se governo brasileiro está tirando proveito da situação para criar um clima de terror, muito conveniente levando em conta que estamos a poucos dias do segundo turno das eleições. Uma coisa é certa, esta bactéria criou tal resistência pela ingestão indiscriminada de medicamentos, coisa comum no Brasil. Não é de se surpreender, uma vez que as próprias autoridades da saúde recomendam o uso de medicamentos como a única forma de prevenir doenças. Podemos encontrar no site da Anvisa:
“Pela legislação brasileira, não é possível atribuir propriedades terapêuticas (tratamento, cura ou prevenção) aos alimentos, uma vez que são características próprias de medicamentos As atribuições que podem ser divulgadas para os alimentos são as relativas às suas características nutritivas, pois sua finalidade é fornecer ao organismo humano os elementos necessários à sua formação, manutenção e desenvolvimento.”
Imunidade Baixa e Vitamina D:

O Correio Brasiliense ressalta que "quem tem contato com o vírus só correrá o risco de contaminação se sua saúde estiver debilitada e ele estiver com a imunidade baixa”. Uma vez que é conhecido o papel da Vitamina D para a manutenção de uma boa imunidade, porque não se vê nenhuma autoridade médica indicando a complementação de vitamina D?

Fontes:

Correio Braziliense: Aumento do número de mortes por superbactéria deixa população receosa

Temporão pede tranquilidade à população em relação à proliferação de superbactéria

Cases of KPC Increase

E-Medicine: Klebsiella Infections

O Povo: Secretaria confirma 150 casos suspeitos da superbactéria

OS PARASITAS DO SISTEMA

EDU DALLARTE
A natureza parasitária do atual sistema monetário

por Amanda Morales [*]


Mesmo as pessoas mais educadas, por vezes enganadas pelos media dominantes e os chamados “peritos”, deixam de identificar a causa básica da actual retracção económica e tendem a confundir o sintoma (inflação, desemprego, etc) com a causa. Outros factores incorrectos do seu desencadeamento muitas vezes são atribuídos à inerente cobiça humana, à super-população, aos baby boomers [NT 1] , ao abandono do padrão ouro, à reserva bancária fraccionária [NT 2] , às divisas fiduciárias, ao super-consumo e até mesmo à tecnologia.

O sistema monetário tornou-se a jaula global da escravização alimentada pela dívida que hoje conhecemos através de uma série de eventos: invenção da usura (conceder empréstimo em dinheiro a juros compostos), estabelecimento da reserva fraccionária na concessão de crédito, privatização da oferta monetária, criação de bancos centrais, abolição do padrão ouro e imposição legal de divisas fiduciárias.

Actualmente cerca de 96% do dinheiro nos países ocidentais vêm à existência como dívida (dinheiro-crédito) criada por bancos comerciais na forma de promessas de pagamento (IOUs) [NT 3] . Os montantes depositados no banco e emprestados são simples registos na contabilidade, não apoiados por quaisquer activos reais (como o ouro, por exemplo). O que dá valor a estes montes de papéis normalmente sem valor é o trabalho humano. Só quando paramos para pensar acerca disto podemos começar a apreender a natureza profundamente fraudulenta da concessão de empréstimos bancários: o tomador do empréstimo compromete como colateral pelo empréstimo algo que ele ainda não possui (isto é, o carro que ele compra a crédito) em troca do dinheiro que o prestamista realmente não tem nas suas reservas.

Vamos resumidamente examinar como são criadas bolhas especulativas e o efeito que elas têm sobre a economia real. As baixas taxas de juros estabelecidas pelos Bancos Centrais desencadeiam uma farra de crédito que atrai pessoas à dívida. Os bancos criam dinheiro ex-nihilo (a partir do nada) e emprestam-no a juro, inchando bolhas alimentadas pelo crédito (dot-com, habitação, imobiliário comercial, etc) que torna banqueiros e outros especuladores ultrajantemente ricos. Por definição, temos uma bolha quando o preço de um activo eleva-se para além do que o rendimento médio por permitir. Vamos tomar a actual bolha habitacional como um exemplo. Quando a bolha finalmente explode, o valor do activo afunda com desastrosas repercussões nos balanços dos bancos e igualmente dos proprietários das casas: bancos retomam casas cujo valor está em queda rápida e proprietários descobrem-se em situação líquida negativa (o valor de mercado da sua casa é mais baixo do que o que eles estão a pagar ao banco a cada mês). Uma vez que foi permitido aos bancos tornarem-se “demasiado grandes para falirem”, através de fusões e aquisições, as elites financeiras instruem seus políticos fantoches a salvarem-nos, a expensas dos contribuintes. Utilizando doses maciças de propaganda nos media e de instilação do medo, as elites lavam o cérebro das massas levando-as a acreditar que a prosperidade dos bancos é vital para a estabilidade social e a prosperidade económica. Por outras palavras, seguir-se-á o caos generalizado se permitirmos os grandes bancos irem à falência. Inicialmente, a maior parte dos cidadãos parece acreditar na mentira e aceitam pagar os custos através de aumentos de impostos e um conjunto de cortes e privatizações de serviços públicos (educação, previdência, infraestrutura, cuidados de saúde, etc).

Depois de garantirem o salvamento, os banqueiros premiavam-se a si próprios com bónus maciços e tentavam reverter aos negócios de sempre. Mas há um problema: o mundo esgotou-se de pessoas com crédito respeitável (o idiota seguinte no esquema de Ponzi). A maior parte dos indivíduos e negócios estão a naufragar em dívidas e a perspectiva é demasiado negra para prever qualquer lucro. Portanto os bancos não concedem empréstimos (credit crunch) e os devedores, quando podem, pagam à vista seu saldo em dívida, drenando dinheiro da economia real. Inicia-se assim uma perigosa espiral de deflação do dinheiro, provocando bancarrotas, desemprego, arrestos, definhamento de receitas fiscais e inquietação social. Enquanto isso o défice do governo dispara, inchando uma dívida pública já enorme e levando à espécie de crise de dívida soberana verificada em países como a Grécia, Islândia e Irlanda, para mencionar uns poucos.

Como chegámos a isto? Vamos dar um passo atrás e ponderar. Um sistema monetário baseado na usura exige crescimento sem fim, pois o juro composto cresce exponencialmente ao longo do tempo. Sob esta nova luz é mais fácil ver porque o establishment está tão obcecado com o aumento do PIB, um crescimento exponencial que simplesmente não é viável num planeta finito. Não há escapatória: se a economia não cresceu, não pode ser emitido novo dinheiro-dívida para estender no futuro os passivos de dívidas existentes. Uma vez que virtualmente toda a oferta monetária é criada pelos próprios bancos como dívida, novo dinheiro deve continuamente ser concedido como empréstimo só para pagar os juros devidos aos banqueiros. Analogamente, um crescimento zero ou negativo assinala o funeral do sistema monetário que estamos a testemunhar exactamente agora.

Considerações éticas acerca do parasitismo inerente à usura certamente seriam apropriadas nesta altura: possuidores de dinheiro emprestam-no àqueles a quem ele falta, os quais por sua vez tornam-se seus escravos. Mas a usura também apresenta um problema matemático prático: os bancos criam só o principal mas não o juro necessário para reembolsar os seus empréstimos. Isto resulta numa escassez de dinheiro crónica que afecta todos os actores do sistema, pois o dinheiro para pagar de volta o juro sobre todos os empréstimos não existe. Em consequência, todos nós devemos competir num jogo de soma zero para ganhar alguma coisa que simplesmente não existe. O dinheiro é ganho por alguns em detrimento de outros que ficam sem, o que se parece cada vez mais como uma competição implacável que amplifica grandemente o conflito social e os desequilíbrios de riqueza.

A constante expansão da oferta monetária necessária para aliviar uma escassez crónica de dinheiro é a causa principal da inflação, um confisco furtivo de riqueza dos possuidores de dinheiro. O sistema monetário poderia ser comparado a um jogo de cadeiras musical: enquanto a música toca (tanto a oferta monetária como a economia expandem-se) aparentemente não há perdedores [1] .

O montante do dinheiro-dívida no sistema deve crescer continuamente para minimizar o risco de uma deflação perigosa. Podemos agora entender como todas as conversas que ouvimos nos media dominantes acerca da necessidade de reduzir dívida são de facto apenas um disfarce enganoso. A dívida está destinada a ser mantida porque todo o sistema está baseado sobre ela. Qualquer redução de dívida (tanto pelo reembolso como pelo cancelamento) aumentaria a escassez de dinheiro, com consequências catastróficas numa economia disfuncional como a nossa.

Apesar de todos os esforços dos banqueiros centrais para manter o jogo em andamento, a oferta de dinheiro em muitas economias ocidentais actualmente está a contrair-se e milhões de pessoas são relegadas ao frio permanente.

Quando dívida é reembolsada, o falso principal é progressivamente destruído e o juro permanece como um lucro para o banco. Se considerarmos que sobre grandes empréstimos reembolsados ao longo de períodos de tempo muito longos (tais como hipotecas) o montante do juro cobrado pode facilmente exceder o principal, podemos começar a apreender a proporção colossal desta fraude bem como a sua natureza intrinsecamente parasitária.

Armados com este conhecimento, torna-se claro que o sistema monetário imposto sobre nós está em bancarrota estrutural. Um sistema de concessão de empréstimos baseado em juro só poderia funcionar se todo o dinheiro ganho através do juro fosse gasto em bens e serviços (de modo a que o tomador do empréstimo pudesse ganhá-lo outra vez), não entesourado ou emprestado outra vez. Entesourar dinheiro ou emprestá-lo a diferentes tomadores ao mesmo tempo (como os bancos fazem hoje) provoca a escassez do mesmo e finalmente leva a incumprimentos em massa.

Penso que a privatização do dinheiro é a principal causa subjacente da pobreza, escravatura económica, sub-financiamento do governo e de uma classe dirigente oligárquica que frustra toda tentativa de arrancá-la das rédeas do poder.
18/Outubro/2010

[1] Há realmente um perdedor: é o ambiente destruído pelo desenvolvimento insustentável exigido por uma economia conduzida pelo lucro.
NT
[1] Baby-boomers: pessoas nascidas num período de aumento da naturalidade (em especial os anos 1946-1965)
[2] Reserva fraccionária: a prática bancária de emitir mais crédito do que o banco possui como reserva, aumentando assim a massa monetária em circulação.
[3] IOUs (I owe you): acordo escrito para devolução de uma dívida.

[*] Analista financeira, venezuelana. Contacto: ama.morales@yahoo.com


http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=21494 . Tradução de JF.


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

OVNIS, NOVOS SEGREDOS

EDU DALLARTE

OVNIs - Luzes se movendo velozmente no céu, objetos pairando no ar, interferência nos rádios. Conheça os mitos e os mistérios que cercam os objetos voadores não identificados.



Em 9 de dezembro de 1965, centenas de testemunhas viram um estranho objeto cair em uma floresta nos arredores de Kecksburg, Michigan. Na manhã de 27 de dezembro de 1980, dois patrulheiros da Força Aérea dos EUA viram um objeto metálico brilhante pairando sobre Rendlesham Forest em Suffolk, Inglaterra. Entre 1989 e 1990, centenas de enormes objetos triangulares foram vistos nos céus da Bélgica. Em 5 de janeiro de 2000, um empresário e vários policiais em Illinois viram um enorme objeto brilhante e iluminado cortar o céu em alta velocidade.


Foto cedida Alien-UFOs.com
Fotografia de uma nave triangular vista por muitas pessoas nos céus da Bélgica entre 1989 e 1990


Milhares de pessoas em todo o mundo descreveram ocorrências como essas: objetos voadores não identificados e estranhos que pairam no ar ou aterrissam no chão. Será que esses objetos voadores não identificados (OVNIs), como são chamados, são naves espaciais alienígenas nos visitando de planetas distantes? Ou são apenas aeronaves militares de altíssima tecnologia, balões meteorológicos ou outras aparições facilmente explicáveis?

Este artigo analisa os mitos e os mistérios que cercam os OVNIs, enfatizando as descobertas que os pesquisadores fizeram até agora e o mistério que ainda cerca esses estranhos objetos voadores.

Ovni no Reino Unido

O primeiro-ministro britânico do período da 2ª Guerra, Winston Churchill, proibiu, por 50 anos, a divulgação de um suposto incidente com Ovni, por medo de causar pânico na população.


Leia ORIGINAL em VEJA.com


http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/churchill-censurou-relatorio-sobre-ovnis-para-evitar-panico

Espaço
05/08/2010

Churchill censurou relatório sobre Ovnis para evitar pânico
Um avião de reconhecimento que voltava para a Grã-Bretanha de uma missão foi encoberto por um Ovni enquanto passava pela costa britânica

Documentos foram publicados nesta quinta-feira pelos Arquivos Nacionais britânicos

O primeiro-ministro britânico do período da Segunda Guerra, Winston Churchill, proibiu, por 50 anos, a divulgação de um suposto incidente com Ovni devido ao temor de que sua divulgação pudesse provocar pânico, segundo informações reveladas esta quinta-feira.

O neto de um oficial da Royal Air Force (Força Aérea britânica), que foi um dos guarda-costas pessoais de Churchill, escreveu ao ministro da Defesa britânico, em 1999, sobre o suposto incidente.

O relato dele e a alegada reação de Churchill foram revelados em documentos publicados nesta quinta-feira pelos Arquivos Nacionais britânicos.

Segundo estes, o avô do homem escutou por acaso Churchill discutindo o suposto incidente com o general americano Dwight Eisenhower.

De acordo com relatórios atribuídos a Churchill, um avião de reconhecimento que voltava para a Grã-Bretanha de uma missão foi encoberto por um Ovni enquanto passava pela costa britânica.

A tripulação do avião contou ter fotografado o objeto, o qual afirmam ter "pairado ruidosamente" perto da aeronave, antes de partir.

"O sr. Churchill fez uma declaração sobre a (possível) repercussão (do caso), (destacando que) 'este evento deve ser imediatamente censurado pois poderia criar pânico na população em geral e destruir a nossa crença na Igreja'", diz uma carta que descreveria o suposto incidente.

(AFP)
O que são OVNIs?

Foto cedida Alien-UFOs.com
Foto de um objeto que voou sobre uma casa em uma fazenda na Carolina do Sul, em 1973

Em meados do séxulo XX, a Força Aérea dos EUA (em inlgês) inventou a expressão "OVNI" como termo geral para qualquer "objeto voador não identificado" - luzes e objetos desconhecidos vistos no céu. Mas entre os ufólogos (pesquisadores e entusiastas dos OVNIs), o termo se tornou sinônimo de espaçonave alienígena.

O falecido astrônomo J. Allen Hynek (em inglês) definiu um OVNI como:

"A aparente percepção de um objeto ou luz visto no céu ou na terra; o aparecimento, a trajetória, a dinâmica geral e o comportamento luminescente de algo que não suscita uma explicação lógica e convencional e que, além de ser misterioso para quem o viu, permanece não identificado depois de exame cuidadoso de todos os indícios disponíveis por pessoas tecnicamente capazes de fazer uma identificação lógica, se isso for possível".

Na maioria das vezes, descobre-se que os OVNIs são algo conhecido: um balão meteorológico ou luzes de um avião, por exemplo. Mas em 5 a 10% dos casos de OVNIs, o objeto continua sendo um mistério.


Foto cedida por HBCC UFO Research/Brian Vike, UFO Evidence
Foto tirada do céu sobre uma praia na Carolina do Norte

As aparições de OVNIs estão associadas às chamadas abduções por alienígenas, em que as pessoas dizem ter sido transportadas para uma nave espacial extraterrestre e submetidas a vários exames físicos - até mesmo experimentos de cruzamento com alienígenas. Os OVNIs são relacionados aos círculos nas plantações, padrões estranhos e às vezes inexplicados que se formam da noite para o dia nos campos.


Foto cedida www.circlemakers.org
Círculo na plantação descoberto em Alton Barnes na Inglaterra, em junho de 2004

Os OVNIs são acusados de mutilações de animais - cavalos, cabras, vacas, veados e outros encontrados sem sangue e sem as vísceras. A teoria alienígena surge porque, de modo geral, não há pegadas ao redor do animal para indicar que um ser humano foi responsável pelo fato.

Durante a aparição de um OVNI, descrevem-se fenômenos estranhos como interferências no rádio e na TV ou problemas na ignição de carros. Muitos OVNIs deixam estranhos cartões de visita, como por exemplo: recortes no solo, vegetação queimada ou aplainada, cordões parecidos com teias de aranha que pendem de postes telefônicos e árvores e que se desintegram ao toque, além de escombros não identificados.

Então, eles realmente são objetos alienígenas?

Será que os OVNIs são naves espaciais alienígenas pilotadas por seres extraterrestres ou são objetos terrestres que apenas não foram identificados adequadamente? A questão gera muita polêmica, contrapondo aqueles que acreditam em OVNIs contra aqueles que dizem que precisam de mais provas científicas.


Foto cedida Alien-UFOs.com
Fotografia tirada ao pôr-do-sol, na Espanha, em 1978:
parecem luzes estranhas no céu

Pesquisas mostram que a grande maioria dos americanos acredita que há vida inteligente em outro lugar do universo. Mais de 60% dos entrevistados por uma pesquisa da CNN (em inglês), em 1997, disseram acreditar que alienígenas fizeram contato com seres humanos; aproximadamente 50% disseram que acham que alienígenas abduziram humanos e 80% acreditam que o governo está escondendo algo sobre o contato com alienígenas.

As pessoas que alegam ter visto OVNIs têm certeza de que o que viram é real. Elas dizem que esses seres alienígenas vieram à Terra estudar a raça humana, criar uma nova espécie híbrida ou simplesmente se comunicar com os humanos.

Mas os céticos dizem que existe uma falta incrível de indícios científicos reais para provar - ou contestar - o fenômeno do OVNI. Eles argumentam que a maioria dos OVNIs acaba sendo um conjunto de fenômenos identificáveis que vão de balões meteorológicos, chuvas de meteoros a fraudes.


A equação de Drake

Há vida inteligente em outros planetas? Em 1961, o Dr. Frank Drake, presidente do Instituto SETI (Busca de Inteligência Extraterrestre), desenvolveu uma equação matemática para determinar essa probabilidade. Sua equação se baseia em sete variáveis, dentre as quais o número de estrelas em nossa galáxia e a porcentagem de estrelas que têm sistemas planetários. Quando se multiplica todas as sete variáveis, a resposta é o número provável de civilizações no espaço que seriam capazes de se comunicar conosco.

Veja A mente ativa: SETI - a equação de Drake (em inglês) para mais informações.

VEJA: Exobiologia ou Astrobiologia
A Equação de Drake é formulada CLIQUE NA FÓRMULA PARA ENTENDER:




Como os pesquisadores estudam os OVNIs?
Na década de 40, o governo dos Estados Unidos estava muito interessado na pesquisa sobre OVNIs. A Força Aérea dos EUA começou a investigá-los em 1948, com um programa denominado Project Sign. Posteriormente, o nome mudou para Project Blue Book e, entre 1948 e 1969, o governo investigou mais de 12 mil aparições de OVNIs. Dessas, descobriu-se que 11.917 eram objetos terrestres como balões meteorológicos e satélites; fenômenos climáticos como relâmpagos e reflexos; ocorrências astronômicas, ou farsas. Os 701 casos restantes ficaram sem explicação.

Em 1969, a Força Aérea encerrou o projeto Blue Book, alegando falta de provas conclusivas. O projeto Blue Book concluiu que:

* nenhum OVNI descrito, investigado e avaliado pela Força Aérea deu qualquer indicação de ameaça à segurança nacional;
* não há provas enviadas ou descobertas pela Força Aérea de que as aparições classificadas de "não identificadas" representem avanços ou princípios tecnológicos além do limite dos conhecimentos científicos atuais;
* não há nenhuma prova indicativa de que as aparições classificadas como "não identificadas" sejam veículos extraterrestres;

As pesquisas sobre OVNIs continuam no setor privado. O Instituto SETI (Busca de Inteligência Extraterrestre) monitora regularmente os céus, procurando sinais oriundos de planetas distantes. No final da década de 90, eles acharam algo - um padrão repetitivo originário de um ponto a 1,6 milhão de quilômetros de distância. Mas em poucas horas, os cientistas do SETI identificaram o padrão como um sinal de um observatório solar denominado SOHO, que está em órbita a 1,6 milhão de quilômetros da Terra.

Para mais informações sobre o SETI, seus projetos e como participar da busca, LEIA AQUI O Programa SETI.

O governo está escondendo alguma coisa?



Autópsia de alienígena
Um empresário inglês chamado Ray Santilli alega que enquanto pesquisava
cópias de filmes para um vídeo musical, ele se deparou com um filme que
mostrava a autópsia de um alienígena, encontrado depois da queda de um
OVNI em Roswell, Novo México, em 1947. Subseqüentemente, o filme foi transmitido em um especial da Fox TV, em 1995: "Autópsia de alienígena - realidade ou ficção?" Posteriormente, a Fox se pronunciou e admitiu que o filme era uma farsa filmada em 1994 com atores.
Em uma noite de verão, em 1947, moradores dos arredores de Roswell, Novo México, viram luzes estranhas no céu e depois ouviram um barulho ensurdecedor.
Na manhã seguinte, depois de forte tempestade com trovões, o
administrador de uma fazenda chamado Mac Brazel saiu para ver as ovelhas e encontrou escombros estranhos. Ele entrou em contato com o delegado da cidade, que avisou o governo. Os escombros foram levados ao Roswell Army Air Field e depois ao Wright Field em Dayton, Ohio. No dia 8 de julho de 1947, o coronel William Blanchard do 509th Bomb Group, em Roswell, divulgou um boletim de imprensa declarando que os militares tinham recolhido os escombros de um "disco voador". Algumas horas depois, o general Roger Ramey, comandante da Eighth Air Force em Fort Worth Army Air Field no Texas, divulgou um segundo boletim de imprensa negando o primeiro. Segundo Ramey, os escombros que os homens de Blanchard apanharam nada mais eram do que um balão meteorológico e seu detector de radar.

Qual boletim de imprensa era verdadeiro? Pessoas que acreditam em OVNIs dizem que o primeiro era verdadeiro e que o segundo fazia parte de uma complexa operação para encobrir os fatos e que se estende há mais de meio século.

Eles acreditam que o governo realmente apanhou uma nave e sua tripulação alienígena. Testemunhas oculares dizem ter visto corpos cobertos sendo levados pelos militares. Algumas pessoas disseram ter assistido a uma autópsia alienígena. Os teóricos de Roswell dizem que o governo se reúne secretamente com alienígenas desde a queda em um lugar chamado Área 51 em uma região distante no estado de Nevada.

Foto cedida Amazon.com
Os homens de preto apareceram pela primeira vez no livro de Gray Barker,
em 1956, "They Knew Too Much about Flying Saucers" e foram o assunto do
famoso filme "Homens de Preto", de 1997
Outra teoria relacionada à suposta operação do governo para encobrir fatos reais diz respeito ao silenciamento de testemunhas. Várias testemunhas de OVNIs dizem que receberam a visita de homens trajando ternos pretos que tentaram intimidá-las para que se calassem. Esses chamados "Homens de Preto", que se tornaram conhecidos do público através do livro de Gray Barker, de 1956, "They Knew Too Much about Flying Saucers", são alienígenas que ocultam suas próprias provas ou agentes do governo que tentam esconder aterrissagens alienígenas. Segundo a maioria das referências, o livro de Barker é uma obra de ficção. A mitologia que cerca os homens de preto
deu origem a dois filmes famosos, uma série de TV e um videogame.

Abduzido por alienígenas?
Será que os alienígenas realmente abduzem as pessoas e fazem experimentos com elas? Muitos dizem que sim. Provavelmente, o primeiro relato de uma abdução alienígena veio de um casal em New Hampshire chamado Barney e Betty Hill. O casal relata que, em 19 de setembro de 1961, enquanto dirigia pela zona rural na região central de New Hampshire, notou uma luz se movendo no céu. Quando o objeto se aproximou, eles viram que era grande e achatado, com luzes multicores e muitas fileiras de janelas. Quando Barney olhou a nave com o binóculo, aparentemente viu criaturas em seu interior, sendo que uma delas parecia ser o líder. Assustado, o casal foi para casa. Vários dias depois da aparição, Betty começou a ter pesadelos em que estava dentro da nave. Depois, sob hipnose, o casal se lembrou de ter sido levado ao OVNI e ser submetido a experimentos.

Será que o casal Hill e as milhares de outras pessoas que dizem ter sido abduzidas desde então estavam dizendo a verdade? Céticos alegam que os alienígenas "com olhos enormes e alongados" que Barney descreveu apareceram em um episódio de "Outer Limits" (em inglês) apenas 12 dias antes da sessão de hipnose em que ele os descreveu.

Mas as histórias de abduzidos são extraordinariamente semelhantes. Muitas pessoas se lembram de ficar banhadas em luz e de se sentir paralisadas. Depois, há a sensação de serem transportadas em um raio de luz até a nave espacial alienígena. Elas descrevem uma sala de exames em que seu corpo é analisado, investigado e estudado de vários modos. Muitos dizem que seu esperma ou óvulos foram removidos e usados para produzir prole humano-alienígena, que algumas pessoas dizem ter encontrado quando retornaram à nave posteriormente.

Essas lembranças podem parecer imaginação, mas alguns pesquisadores dizem que os abduzidos por alienígenas apresentam os mesmos sintomas de distúrbio do estresse pós-traumático que os veteranos de guerra. O pesquisador da Harvard University, Richard McNally e seus colegas, na edição de julho de 2004 da publicação Psychological Science (em inglês) informaram que quando os abduzidos ouvem fitas de áudio com sons que imitam suas experiências, apresentam sintomas físicos - palmas das mãos suadas, músculos contraídos e freqüência cardíaca elevada.

Além disso, o momento das histórias de abdução parecem coincidir com o aparecimento de OVNIs nas proximidades. Muitos dos abduzidos são dados como desaparecidos quando alegam ter sido abduzidos e, quando retornam, têm cortes e hematomas estranhos no corpo.

Lugares famosos
Há lugares ao redor do mundo, entre os quais Gulf Breeze, Flórida (EUA) e Warminster, Wiltshire (Inglaterra) que são famosos pela freqüência de aparições de OVNIs. Esses lugares registram um conjunto de aparições durante um período de vários meses ou anos. Essas fotografias de Ed Walters mostram o que parece ser um OVNI visto sobre Gulf Breeze, Flórida.


Fotos cedidas UFO Evidence

Encontros imediatos através da história

Embora as aparições de OVNIs tenham se tornado mais comuns na segunda metade do século passado, há relatos de estranhos objetos voadores registrados no decorrer dos tempos. Erich Von Daniken escreveu mais de duas dúzias de livros, dentre os quais "Chariots of the Gods? - Unsolved
Mysteries of the Past", alegando que alienígenas visitam a Terra há dezenas de milhares de anos. A Bíblia, segundo ele, está repleta de referências aos visitantes alienígenas. Ele argumenta que os
alienígenas ajudaram a construir as pirâmides, apresentaram a ordem social e a arte aos antigos humanos e até mesmo se cruzaram com nossos ancestrais para criar nossa espécie moderna.

Antigos textos sâncritos supostamente descrevem máquinas voadoras, denominadas vimanas, usadas pelos deuses para combates no céu. Em determinado texto, descreve-se a construção da vimana (tradução):

"... como um grande pássaro voador de material leve. Dentro, coloca-se o
motor de mercúrio com seu aparato para aquecimento de ferro abaixo. Por
meio da potência latente no mercúrio que coloca em movimento o aparato
de propulsão, um homem sentado em seu interior pode percorrer uma grande
distância no céu. Os movimentos da vimana são tais que ela pode ascender e descer verticalmente, mover-se obliquamente para frente e para trás".
Provavelmente o primeiro encontro imediato moderno com nave espacial alienígena ocorreu em 24 de junho de 1947. Um piloto particular chamado Kenneth Arnold voava perto do Monte Rainier no estado de Washington quando viu nove objetos voadores em forma de meia-lua. Ele observou os objetos se moverem a bem mais de de 1.600km/h, muito mais rápido do que qualquer aeronave feita pelo homem poderia voar na época. Um repórter que escreveu sobre o evento referiu-se aos objetos como "discos voadores".

Foto cedida UFO Evidence
Foto de "luzes estranhas" no céu próximo ao Capitol em Washington, DC, em 1952

Desde então, há relatos de aparições de OVNIs na Inglaterra, Austrália, China, México, Rússia, Espanha, Itália, Estados Unidos e em outros países


Foto cedida Alien-UFOs.com
Foto de um OVNI sobre a cidade do México, supostamente tirada em 1997

Mais links interessantes (em inglês)


Livros

  • UFO Briefing Document: The Best Available Evidence, Don Berliner, Whitley Streiber
  • The UFO Experience: A Scientific Inquiry, J. Allen Hynek
  • The Phoenix Lights, Lynne D. Md. Kitei
  • The Roswell UFO Crash: What They Don't Want You to Know, Kal K. Korff
  • UFOs are Real: Extraterrestrial Encounters Documented by the U.S. Government, Clifford E. Stone
  • Chariots of the Gods? - Unsolved Mysteries of the Past, Erich Von Daniken

Referências

  • Incidente com OVNI em Roswell em 1947, Roswell Online
  • Antigos astronautas e Chariots of the Gods de Erich Von Daniken The Skeptic's Dictionary
  • Burrows, John. Antiga nave espacial vimana.
  • Craig, Roy: Provas físicas diretas.
  • Jeffrey, Kent. Roswell: A história completa.
  • Pesquisa: Os EUA escondem informações sobre alienígenas CNN.com
  • Russell, Davy. Uma introdução aos OVNIs.
  • Stacy, Dennis. Uma breve introdução à ufologia
  • O incidente das luzes em Phoenix em 1997
  • Os Homens de Preto (M.I.B.), The Skeptics Dictionary.
  • OVNIs, The Skeptic's Dictionary.
  • Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Objetos voadores não identificados (OVNIs).
  • Wilson, Jim. "Quando os OVNIs chegarem: O governo dos EUA e de outros países já têm planos secretos e detalhados para o primeiro contato." Popular
    Mechanics, Volume 181, fevereiro 2004, p. 52-57.

FONTE: Stephanie Watson. "HowStuffWorks - Como funcionam os OVNIs". Publicado em 22 de dezembro de 2004 (atualizado em 08 de maio de 2007) http://pessoas.hsw.uol.com.br/ovnis.htm (21 de outubro de 2010)

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

VENTOS DE GUERRA

EDU DALLARTE

Algo de esquisito no ar. Como uma tensão.
Ao ler os vários blogs de quem fica atento à realidade, podemos reparar como a maioria destes estão a prever algo de sinistro, uma guerra.

Mesmo hoje, Evoluindo Sempre publica um artigo com um título bastante explicito, Observe!!! Crise e guerra..., no qual é presente uma série impressionante de sintomas que demonstram uma coisa simples: a situação é delicada e a sensação é que possa ser suficiente uma pequena faisca para desencadear um grande incêndio.

Em particular, a situação é pesada no Médio Oriente.
Aqui a impressão (e algo mais até) é que seja impossível ultrapassar o obstáculo sem um confronto directo. O que, dito em palavras simples, significa uma guerra.

Irão dum lado, Israel e Estados Unidos do outro, nem sequer tentam disfarçar as intenções e estimulam um duelo verbal que aumenta o nível da disputa.
E não podemos esquecer os outros actores, que não são, nem podem ser, simples figurantes: a Palestina, o Líbano, a Turquia; mais para leste o Afeganistão, o Paquistão.

A seguir a opinião de Conflitti e Strategie. O título? Ventos de guerra? E ainda bem que está um ponto de interrogação.

Ventos de guerra?

O sucesso do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad durante a recente visita ao Líbano elevou o nível de tensão internacional.
O embaixador israelita Gideon Meir rugiu de imediato:
A visita deve preocupar a Europa [...] É um sinal de alarme para a Europa. Os misseis que Irão desenvolve são suficiente para atingir Israel, mas também Roma ou a Europa.
Não é preciso ficar admirados, Israel limitou-se a repetir aos "aliados" (e aqui seria preciso abrir um parêntese muito comprida...) as próprias idiossincrasias.
Ao avaliar com cuidado a situação, todavia, descobrimos que a Europa tem todo o interesse no deixar que o Irão possa tornar-se o País hegemónico da inteira área do Médio Oriente.

Além do facto de alguns Países do Velho Continente ser os maiores partner comerciais (Alemanha e Italia), a verdadeira razão pela qual o Irão começou a desenvolver um papel crucial para os destinos da Europa reside nas decisões do presidente Mahmoud Ahmadinejad de indexar o preço do petróleo segundo os parâmetros do Euro e não do Dólar.
As tantas idiotices acerca do nuclear outra coisa não são senão propaganda dos Estados Unidos , com o fim de legitimar a real intenção de varrer Ahmadinejad e a sua hábil política energética.

Doutro lado, Israel aproveitou do "caso Irão" para adquirir crédito internacional, o suficiente para causar estragos (mais uma vez) na terra dos cedros. As forças armadas israelitas têm o forte desejo de redimir perante a própria nação as derrotas (em 2000 e 2006) provocadas pelos combatentes Hezbollah, os quais já podem contar com técnicas de combate, contra-espionagem e prevenção que podem travar ou conter a terrível máquina de guerra israelita, cuja lendária eficiência foi reduzida pelas péssimas recentes provas.

Barak, o ministro da defesa de Israel, falou como sempre da necessidade de "erradicar Hezbollah do Líbano", tal como Olmert (presidente de Israel até o passado Março) tinha falado de "Guerra contra Hamas, não contra os palestinianos" antes da operação "Chumbo fundido". Podemos esperar a mesma meticulosidade e perícia. A verdade é que Israel está a fazer de tudo para fazer voltar o Líbano de décadas e estender a ocupação da Cisjordânia também no sul do País dos cedros, baseando-se em qualquer pretexto possível, que será prontamente absorvido e repetido pela servil imprensa contemporânea e agitadao obsessivamente como prova inequívoca da "ameaça" (sic) contra Israel.

Israel está a desenvolver os planos do ataque, que provavelmente terá lugar nos próximos doze meses.
Os guerrilheiros do Hezbollah, por sua vez, estão a preparar-se em silêncio; o Irã e (especialmente) a Turquia ficam à janela, esperando pacientemente que Israel faça o mais irresponsável dos gestos, para depois acusa-lo publicamente, com provas, depara ser o principal responsável pelo instabilidade no Médio Oriente Médio.

E Barack Obama, que tem sido muito ocupado com a organização do "processo de paz", chamando em causa o insignificante e desacreditado Abu Mazen (o Hamas foi eleito, não a Autoridade Nacional Palestiniana da qual Mazen é presidente), verá desaparecer numa bolha de sabão a sua tentativa de dar uma aparência de estabilidade ao Médio Oriente; e será empurrados no canto pelos velhos aliados, Turquia em primeiro lugar, forçando-o a assumir publicamente uma posição clara e sobre a questão.
Um novo arrefecimento das relações com os EUA (o já aconteceu em relação à decisão, que tomada por Netanyahu, de estender a construção de casas coloniais nas áreas ocupadas) significaria o total isolamento de Israel, uma perspectiva não atraente, em particular quando colocada numa estrutura mundial inexoravelmente no caminho do policêntrico.
Em todos os casos, as observadores "politicamente correctos" já ligaram os motores da propaganda e já estão a pavimentar o caminho de Israel. É preciso manter os olhos bem abertos.

Fontes: Evoluindo Sempre, Conflitti e Strategie

Para quem não leu, aproveite os links abaixo.

Beijão no coração
Ravena

Resumo da economia mundial
http://www.bbc.co.uk/portuguese/topicos/economia/

Grã-Bretanha anuncia maiores cortes de gastos públicos desde a 2ª Guerra
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/10/101020_cortes_anuncio_osborne_novo_rw.shtml

Economia japonesa está 'paralisada', diz governo
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/10/101019_japaoeconomia_is.shtml

Crise sistémica global - Antecipação de 39 riscos de país em 2010-1014:
Mergulho colectivo mas contrastado na fase de deslocamento geopolítico mundial
http://resistir.info/crise/geab_48.html

Banco Mundial culpa EUA por fluxo de capital a emergentes
http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201010190919_RTR_SPE69I01R

Sarkozy autoriza uso da força contra bloqueios de manifestantes
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/10/101020_franca_sarkozy_ji.shtml

China ajuda Irã na construção de mísseis, diz Washington Post
http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/china+ajuda+ira+na+construcao+de+misseis+diz+washington+post/n1237805665470.html

Unica moeda
http://www.diariodecanoas.com.br/site/noticias/geral,canal-8,ed-60,ct-212,cd-287836.htm

Alta de preços de alimentos deve ter pico em outubro, dizem analistas
http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/10/alta-de-precos-de-alimentos-deve-ter-pico-em-outubro-dizem-analistas.html

Abastecimento de água de bilhões está em risco, diz estudo
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/09/100929_agua_clima_rc.shtml

Os talibãs atacarão a Grã-Bretanha e outros países europeus, segundo ameaçou um de seus líderes em declarações à emissora Sky News.


http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4746343-EI8142,00-Lider+taliba+ameaca+atacar+GraBretanha+e+outros+paises.html

Coreia do Norte parece preparar 3º teste nuclear, diz jornal

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4746048-EI8143,00-Coreia+do+Norte+parece+preparar+teste+nuclear+diz+jornal.html

Fidel Castro volta a alertar para riscos de guerra nuclear
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/818057-fidel-castro-volta-a-alertar-para-riscos-de-guerra-nuclear.shtml

Pequim critica dados da ONU sobre munições chinesas em Darfur

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4746078-EI8143,00-Pequim+critica+dados+da+ONU+sobre+municoes+chinesas+em+Darfur.html

As forças armadas dos Estados Unidos venderão cerca de 60 bilhões de dólares em aeronaves de guerra para a Arábia Saudita, anunciou o Departamento de Estado americano nesta quarta-feira (20).
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2010/10/20/estados-unidos-venderao-84-cacas-a-arabia-saudita.jhtm

BRASIL REJEITA AÇÃO DA OTAN AQUI

edallarte
Offline Offline
Enviar mensagem Enviar mensagem
Opções de associação Opções de associação

Brasil Rejeita ação da OTAN no Atlântico Sul. Mercosul repudia ação da Inglaterra nas Malvinas


Denise Chrispim Marin CORRESPONDENTE / WASHINGTON – O Estado de S.Paulo

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, apresentou formalmente aos Estados Unidos a rejeição do Brasil a qualquer interferência da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Atlântico Sul. Em conversas com autoridades americanas nos últimos dias, Jobim afirmou que o governo brasileiro vê com reservas as iniciativas de Washington de associação das duas áreas geoestratégicas do oceano.

A tese da “atlantização” da Otan tem sido reforçada especialmente pelos EUA, que conseguiram estender a ação dessa organização a regiões distantes do Atlântico Norte, como o Afeganistão.

“O Atlântico Sul responde a questões de segurança muito diferentes das do Atlântico Norte”, afirmou Jobim ao Estado. “A Otan não pode substituir a ONU”, acrescentou ele, referindo-se ao temor de os EUA se valerem dessa organização para promover ações multilaterais sem o respaldo do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Jobim já havia anunciado a preocupação brasileira em uma conferência no Instituto de Defesa Nacional, em Lisboa, em setembro. Na ocasião, argumentou que uma interpretação literal do conceito de “atlantização” da Otan permitia a intervenção dessa entidade em qualquer parte do mundo e sob vários pretextos, especialmente o risco energético. Diplomatas brasileiros informaram que o governo tenta convencer sócios da Otan também parceiros comerciais do Brasil na área militar, como a França e a Itália, a desaprovar esse conceito.

Ontem, Jobim expôs a posição brasileira ao conselheiro de Defesa Nacional da Casa Branca, general James Jones. Na noite anterior, havia explicado a questão ao subsecretário de Estado para o Hemisférico Ocidental, Arturo Valenzuela. O tema foi explorado ainda pelo ministro em uma mesa-redonda na Universidade Johns Hopkins, ontem, da qual parlamentares americanos participaram.

Jobim explicou ao Estado que o Brasil não entrará em entendimento com os EUA sobre essa questão porque o país não ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 1982. A rigor, isso significa que a Casa Branca não é obrigada, por lei, a respeitar a plataforma continental de 350 milhas náuticas de distância e os 4.000 quilômetros quadrados de fundos marinhos do Brasil, que estão definidos pela convenção.

Essa situação traz preocupações especiais ao governo brasileiro em relação à exploração de petróleo na camada do pré-sal.

Fonte: Plano Brasil / Estado de SP

Leia Mais!
Brasil deixa claro: Não queremos a OTAN no Atlântico Sul. A Era Brasil já começou...
Tensão na América do Sul: Argentina acusa Inglaterra de Imperialistas

Chanceleres do Mercosul rejeitam manobras militares nas Malvinas
Os chanceleres do Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, expressaram nesta segunda-feira em comunicado conjunto seu “mais direto protesto” pela decisão do governo britânico de realizar manobras militares nas ilhas Malvinas.

Os ministros, que se encontram em Montevidéu para participar das reuniões do parlamento do Mercosul (Parlasul), ratificaram a “preocupação” do bloco por essa decisão do Reino Unido e apoiaram as recentes declarações da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e do Grupo do Rio neste sentido.

Também expressaram rejeição às declarações formuladas por fontes britânicas à imprensa nas quais indicavam que as manobras seriam “exercícios rotineiros” realizados há 20 anos nas ilhas.

Segundo os chanceleres do Mercosul, a conduta britânica gera “preocupação” e constituiria uma violação das normas de segurança da navegação da Organização Marítima Internacional (OMI).

Argentina apresentou, na última semana, um protesto formal perante a OMI e remeteu à ONU uma cópia do protesto que fez chegar ao Reino Unido por estas manobras nas ilhas, que os britânicos invadiram em 1833 e ocupam desde então.

Argentina e Reino Unido protagonizaram, em 1982, um enfrentamento bélico pelas Malvinas que deixou cerca de mil mortos e, desde então, o país sul-americano não deixou de reivindicar perante a ONU e outros organismos internacionais a soberania das ilhas, situadas a 400 milhas marítimas de seu litoral.

Fonte: Plano Brasil
EDU

Illuminati Barack Obama: os Riscos de um Ataque Nuclear Aumentaram

Assista em Vídeo Barack Obama na campanha de conscientização global sobre os riscos de ataques nucleares, de forma avançada para o início da terceira guerra mundial. Poucos entenderam como isso funciona, porém está ai acontecendo e somente juntando fatos é que chegará a conclusão¦Pesquise


http://msn.nzherald.co.nz/nz/news/article.cfm?c_id=1&objectid=10638256



George Shultz. File photo / AP


Ex-Estados Unidos secretário de Estado George Shultz, agora um forte ativista anti-nuclear, não acredita que os navios da Marinha E.U. poderia continuar visitando a Nova Zelândia, a menos aceita de Washington nem confirmar nem desmentir a política sobre a capacidade nuclear de um navio

impossível enquanto a Nova Zelândia não aceita a não-confirmar ou negar-política disse ontem o Sr. Shultz.

O primeiro-ministro John Key disse em Washington que essa visita seria apenas simbólica, e mesmo assim não era de qualquer grande conseqüência.

Sr. Chave não acreditava guerra E.U. voltaria para os portos de Nova Zelândia a qualquer momento em breve.

Sr. Shultz foi secretário de Estado de 1982-1989 sob a presidência de Ronald Reagan, inclusive em 1984, quando a brecha na aliança de defesa ANZUS ocorreu devido à oposição da Nova Zelândia para os navios de guerra nuclear.

O ex-primeiro-ministro Sir Geoffrey Palmer foi primeiro-ministro suplente quando a Nova Zelândia rejeitou o pedido do Sr. Shultz para enviar a SS Buchanan e reacenderam a discussão sobre até onde deve ir o degelo.

Ele disse que no fim de semana que seria desejável para o navio visitas ao currículo.

Falando da Califórnia para o Herald, o senhor Shultz, agora aos 89 anos, disse que ficou um grande fã de Nova Zelândia.

A Nova Zelândia sempre foi um país maravilhoso para se trabalhar. Tivemos um pequeno desentendimento sobre as coisas nucleares que fragilizou a aliança ANZUS mas eu lembro de ter dito na época Nós da peça, mas parte, como amigos.

Sr. Shultz elogiou o presidente Barack Obama para a realização da cimeira sobre segurança nuclear em Washington, com vista a reduzir o risco de terrorismo nuclear.

Sr. Shultz e outros estadistas mais velhos, incluindo o ex-secretário de Estado Henry Kissinger eo ex-secretário da Defesa William Perry, foram elogiados pelo Sr. Obama para a liderança que eles têm demonstrado na defesa da eliminação das armas nucleares.

Eles fizeram um filme, The Nuclear Tipping Point, que teve uma seleção especial White House na semana passada.

Secretária de Estado Hillary Clinton tem falado acima a força do arsenal nuclear, mas E.U. Sr. Shultz não acredita que envia uma mensagem mista.

Eu acho que é importante que os Estados Unidos mantêm um estoque seguro e confiável de armas nucleares, enquanto as armas nucleares existentes, disse ele.

Eles têm um valor dissuasivo, naturalmente, um valor dissuasor muito grande. É por isso que mantê-los.

https://www.amazon.com.br/dp/B06XX75VKJ