www.amazon.com.br/gp/product/B00WQ3MHKU?%2AVersion%2A=1&%2Aentries%2A=0

terça-feira, 26 de abril de 2011

UFO EM BAURU?

EDU DALLARTE

Relatório destaca discos voadores no céu da região de Bauru


Quatro mulheres que estudavam em Bauru e moravam em Agudos na década de 1970 são citadas em arquivos da Aeronáutica; ufólogo diz que Bauru está na rota de aparição desses objetos não identificados.

“A luz não tinha muito formato, ela se movimentava e veio seguindo o carro. Aí paramos no acostamento e ela parou também. Voltamos a andar com o carro e ela voltou a se movimentar. Era bem próxima do chão", conta Dineia Duarte Fayad, 61 anos, ao BOM DIA.

Ela e as amigas Maria Alice da Silva, Clarice da Silva e Ruth Morais Santanna, então estudantes da Fundação Educacional de Bauru - atualmente Unesp - viajavam de Bauru para Agudos (a 15 km de Bauru), por volta das 23h, quando avistaram o Ovni (Objeto Voador Não Identificado), no dia 21 de agosto de 1970.

Segundo Dineia, elas registraram um Boletim de Ocorrência na delegacia da Polícia Civil de Agudos. Hoje, ela e as amigas perderam contato, mas as quatro mulheres estão juntas na história a partir de agora.

O nome delas aparece em citações de documentos da Aeronáutica liberados pelo Arquivo Nacional, em Brasília, entre várias outras ocorrências envolvendo a aparição de Ovnis. Os documentos indicam que a Aeronáutica investigou a aparição desses objetos.

Paulo Aníbal Mesquita, 43 anos, é ufólogo e investiga a aparição de objetos voadores não identificados há 20 anos. Há 11 anos ele coordena um grupo de pesquisas ufológicas. Para ele, a região de Bauru está na rota dos Ovnis.





Essa região é uma daquelas com mais relatos de que temos notícia conta.

Nós investigamos um caso aí na região rural de Bauru em junho de 2010. Numa área de plantação de cana foi visto um objeto durante a noite e ficou uma marca queimada, continua o ufólogo.

Segundo Paulo, durante as pesquisas que realizou em São Paulo e também em Brasília, encontrou pelos menos quatro casos da região de Bauru que tratavam da aparição de Ovnis, somente na década de 1970.


Objetos estranhos dão asas à imaginação de moradores


Há menos de um ano, no dia 13 de agosto de 2010, a aparição de um suposto Ovni agitou a Bela Vista, em Bauru.

Segundo relato de moradores do bairro, o Ovni também era formado por luzes e foi ser visto durante mais de uma hora como atração no céu.

Uma moradora chegou a relatar que observou o objeto por duas vezes - e que ele seria formado por seis luzes.

Em fevereiro de 2008, moradores se assustaram ao acordar e perceber que uma plantação de cana-de-açúcar estava totalmente tombada.

Os moradores afirmaram não ter visto nenhum objeto estranho no céu de Itápolis na noite do ocorrido, mas mesmo assim a hipótese que tomou força entre os moradores foi a de que um disco voador realmente teria pousado no canavial.

No dia 24 de fevereiro de 2011, um vídeo postado na internet gerou alvoroço na região de Bauru. O vídeo mostrava um suposto Ovni - uma luz que ficava parada no céu - avistado por jovens que viajavam entre Bauru e Agudos. Alguns dias depois, descobriu-se que o vídeo era uma estratégia publicitária.


Fonte: Bom Dia

www.jornalbomdia.com.br
www.bomdia.com.br

UMA CRISE EM MARCHA?

EDU DALLARTE

Crise sistémica global: Outono de 2011: Orçamento/Títulos do Tesouro/Dólar, as três crises americanas que vão provocar a Enorme Ruptura do sistema económico, financeiro e monetário mundial


por GEAB [*]

Em 15 de Setembro de 2010, o GEAB nº 47 intitulava: Primavera de 2011: Welcome to the United States of Austerity / Rumo ao enorme pânico do sistema económico e financeiro mundial. No entanto, no fim do Verão de 2010, a maior parte dos peritos considerava, por um lado, que o debate sobre o défice orçamental dos EUA permaneceria um simples objecto de discussões teóricas no seio da Beltway [1] ; por outro, que era impensável imaginar os Estados Unidos a lançarem-se numa política de austeridade uma vez que bastaria ao Fed continuar a imprimir dólares. Ora, como todos podem constatar desde há várias semanas, a Primavera de 2011 trouxe a austeridade aos Estados Unidos [2] , a primeira desde a Segunda Guerra Mundial, e o estabelecimento de um sistema global fundado na aptidão do motor americano a gerar sempre mais riqueza (real nos anos 1950-1970, depois cada vez mais virtual a partir desta data).

Nesta fase, o LEAP/E2020 está pois em condições de confirmar que a próxima etapa da crise será realmente a Enorme ruptura do sistema económico, financeiro e monetário mundial e que esta ruptura acontecerá no Outono de 2011 [3] . As consequências monetárias, financeiras, económicas e geopolíticas desta “Enorme ruptura serão de uma amplitude histórica e farão a crise do Outono de 2008 parecer aquilo que ela realmente foi: um simples detonador.

A crise no Japão [4] , as decisões chinesas e a crise das dívidas na Europa certamente desempenharão um papel nesta ruptura histórica. Em contrapartida, consideramos que a questão das dívidas públicas dos países periféricos da Eurolândia não é mais o factor de risco dominante na Europa, mas que é o Reino Unido que se encontra na posição do doente da Europa [5] . A zona Euro pôs em acção e continua a melhorar todos os dispositivos necessários para tratar destes problemas [6] . A gestão dos problemas grego, português, irlandês, será feita portanto de maneira organizada. Investidores privados deverão arcar com descontos (como antecipado pelo LEAP/E2020 antes do Verão de 2010) [7] mas isso não pertence à categoria dos riscos sistémicos, o que desagrada o Financial Times, o Wall Street Journal e peritos da Wall Street e da City que tentam a cada três meses refazer o golpeda crise da zona Euro do princípio de 2010 [8] .

Em contrapartida, o Reino Unido fracassou completamente na sua tentativa de amputação orçamental preventiva [9] . Com efeito, sob a pressão da rua e nomeadamente dos mais de 400 mil britânicos que enchiam as ruas de Londres em 26/02/2011 [10] , David Cameron viu-se obrigado a rever em baixa seu objectivo de redução das despesas de saúde (um ponto chave das suas reformas) [11] . Paralelamente, a aventura militar líbia obriga igualmente a rever seus objectivos de cortes orçamentais no Ministério da Defesa. Já havíamos indicados no último GEAB que as necessidades de financiamento público britânico continuavam a aumentar, sinal da ineficácia das medidas anunciadas cuja execução na realidade revela-se muito decepcionante [12] . O único resultado da política do tandem Cameron/Clegg [13] é por enquanto a recaída da economia britânica na recessão [14] e o risco evidente de implosão da coligação no poder na sequência do próximo referendo sobre a reforma eleitoral.

Neste GEAB nº 54, nossa equipe dedica-se pois a descrever os três factores-chave que determinam esta Enorme Ruptura global do Outono de 2011 e suas consequências. Paralelamente, nossos investigadores começaram a antecipar a evolução da operação militar franco-anglo-americana na Líbia que consideramos ser um poderoso acelerador do deslocamento geopolítico mundial e esclarece utilmente certas mudanças tectónicas agora em curso nas relações entre grandes potências mundiais. Além disso, no Índice GEAB $, desenvolvemos as nossas recomendações para enfrentar os perigosos trimestres que estão para vir.

Fundamentalmente, o processo que se desenrola sob os nossos olhos, e de que a entrada dos Estados Unidos numa era de austeridade [15] é uma simples expressão orçamental, não é senão a sequência do apuramento dos 30 milhões de milhões de activos fantasmas que invadiram o sistema económico e financeiro mundial no fim de 2007 [16] . Se cerca da metade deles havia desaparecido durante 2009, eles em parte ressuscitaram desde então pela vontade dos grandes bancos centrais mundial e em particular pela Reserva Federal dos EUA e suas “Facilidades quantitativas 1 e 2 (Quantitative Easings 1 e 2). Ora, nossa equipe estima que são 20 milhões de milhões destes activos-fantasmas que se vão desvanecer em fumo a partir do Outono de 2011, e de um modo muito brutal sob o efeito conjugado das três mega-crises estado-unidenses em gestação acelerada:

- a crise orçamental, ou como os Estados Unidos mergulham de bom grado ou à força nesta austeridade sem precedentes e vão com isso arrastar panos inteiros da economia e das finanças mundiais
- a crise dos Títulos do Tesouro dos EUA, ou como a Reserva Federal atinge o fim do caminho encetado em 1913 e terá de enfrentar a sua falência qualquer que seja a camuflagem contabilística escolhida
- a crise do dólar americano, ou como os sobressaltos da divisa dos EUA que vão caracterizar a travagem da Quantitative Easiang 2 no segundo trimestre de 2011 serão as premissas de uma desvalorização maciça (da ordem dos 30% em algumas semanas).

Bancos centrais, sistema bancário mundial, fundos de pensão, multinacionais, matérias-primas, população americana, economias da zona dólar e/ou dependentes das suas trocas com os Estados Unidos [17] , este é o conjunto dos operadores estruturalmente dependentes da economia dos EUA (de que o governo, o Fed e orçamento federal tornaram-se os componentes centrais), dos activos denominados em dólar ou das transacções comerciais em dólares que vão sofrer o choque frontal de 20 milhões de milhões de activos-fantasmas a pura e simplesmente desaparecerem dos seus balanços, das suas aplicações e provocando uma grande baixa nos seus rendimentos reais.

Remessas de fundos de trabalhadores emigrados nos EUA para os seus países de origem.Em torno deste choque histórico do Outono de 2011, que marcará a afirmação definitiva das tendências fortes antecipadas por nossa equipe nos GEAB anteriores, as grandes categorias de activos vão experimentar grandes turbulências exigindo uma vigilância acrescida de todos os operadores preocupados com os seus investimentos e aplicações. Com efeito, esta tripla crise estado-unidense marcará a verdadeira saída do mundo após 1945 que viu os Estados Unidos desempenharem o papel de Atlas e será portanto marcada por choques e réplicas múltiplas no decorrer dos trimestres que se seguirão.

Exemplo: o dólar pode experimentar a curto prazo efeitos que reforçam o seu valor em relação às principais divisas mundiais (nomeadamente se as taxas de juros dos EUA elevarem-se muito rapidamente após o fim da Quantitative Easing 2), mesmo que, ao cabo de seis meses, sua perda de valor de 30% (em relação ao seu valor actual) seja inelutável. Não podemos portanto senão repetir o conselho figura à cabeça das nossas recomendações desde o princípio dos nossos trabalhos sobre a crise: no quadro de uma crise global de amplitude histórica como esta que atravessamos, o único objectivo racional para os investidores e os poupadores não é ganhar mais, mas sim tentar perder o menos possível.

Isso vai ser particularmente verdadeiro para os próximos trimestres em que o ambiente especulativo vai-se tornar altamente imprevisível no curto prazo. Esta imprevisibilidade a curto prazo tem a ver nomeadamente com o facto de que as três crises americanas que desencadearão a Enorme Ruptura mundial do Outono não estão sincronizadas. Elas estão estreitamente correlacionadas mas não de maneira linear. E uma dentre elas, a crise orçamental, está directamente dependente de factores humanos muito influentes no calendário do seu desenrolar; ao passo que as duas outras (seja o que for que pensem aqueles que vêem nos responsáveis do Fed deuses ou diabos [18] ) doravante no essencial estão inscritas nas tendências fortes em que a acção dos dirigentes americanos tornou-se marginal [19] .

A crise orçamental, ou como os Estados Unidos mergulham de bom grado ou à força nesta austeridade sem precedente e vão arrastar vastos sectores da economia e das finanças mundiais.

Os números podem dar vertigens: 6 milhões de milhões de cortes orçamentais em dez anos [20] , diz o republicano Ryan, 4 milhões de milhões em doze anose ser suficiente agrava uma das referências do Tea Parties, Ron Paul [22] . E de qualquer modo, sanciona o FMI, os Estados Unidos não são críveis quando falam em reduzir seus défices [23] . Esta observação inabitualmente brutal do FMI, tradicionalmente muito prudente nas suas críticas aos Estados Unidos, é particularmente justificada em relação ao psicodrama que, por causa de um punhado de dezenas de milhares de milhões de dólares, quase fechou o estado federal por falta de acordo entre os dois grandes partidos. Um cenário que vai igualmente reproduzir-se proximamente a propósito do tecto de endividamento federal.

O FMI não faz senão exprimir uma opinião amplamente partilhada pelos credores dos Estados Unidos: se por causa de algumas dezenas de milhares de milhões de dólares de redução dos défices o sistema político americano atinge um tal grau de paralisia, o que se vai passar quando nos próximos meses vão-se impor reduções de várias centenas de milhares de milhões de dólares por ano? A guerra civil? Esta é a opinião em todo caso do novo governador da Califórnia, Jerry Brown [24] , o qual considera que os Estados Unidos enfrentam uma crise de regime idêntica àquela que conduziu à Guerra de Secessão [25] .

Evolução comparada das necessidades de financiamento do sector público nos Estados Unidos.O contexto portanto já não é de simples paralisia mas antes de uma confrontação geral entre duas visões do futuro do país. Quanto mais a data das próximas eleições presidenciais (Novembro de 2012) se aproximar, mais a confrontação entre os dois campos irá intensificar-se e desenrolar-se com desprezo para com todas as regras de boa conduta, incluindo a salvaguarda do interesse geral do país: Os deus tornam loucos aqueles que eles querem perder diz Ulisses na Odisseia. A cena política washingtoniana vai assemelhar-se cada vez mais a um hospital psiquiátrico [26] nos próximos meses, tornando cada vez mais provável, tornando cada vez mais provável decisões aberrantes.

Se, para se tranquilizarem acerca do dólar dos Títulos do Tesouro, os peritos ocidentais repetem em uníssono que os chineses seriam loucos em se desembaraçarem destes activos o que não faria senão precipitar a queda de valor, é porque ainda não compreenderam que é de Washington e dos seus comportamentos erráticos que pode vir a decisão que precipitará esta queda. E Outubro de 2012, com a sua votação tradicional do orçamento anual, vai proporcionar o momento ideal para esta tragédia grega que, segundo nossa equipe, não terá happy end pois não é Hollywood e sim o resto do mundo que vai escrever o cenário seguinte.

Seja qual for o caso, por decisão política deliberada, por encerramento do governo federal ou por pressões externa irresistíveis [27] (taxa de juros, FMI + Eurolândia + BRIC[28] ), é certamente no Outono de 2011 que o orçamento federal dos EUA se vai contrair maciçamente pela primeira vez. O prosseguimento da recessão conjugado com o fim da Quantitative Easing 2 vai fazer subir as taxas de juros e portanto aumentar consideravelmente o serviço da dívida federal, num fundo de receitas fiscais em baixa [29][30] . por causa da recaída numa recessão forte. A insolvência federal doravante está logo ali na esquina segundo Richard Fisher, o presidente da Reserva Federal de Dallas

A sequência no GEAB (para assinantes):
- a crise dos Títulos do Tesouro dos EUA, ou como a Reserva Federal atingiu o fim do caminho encetado em 1913 e deve enfrentar a sua falência seja qual for a camuflagem contabilística escolhida
- a crise do dólar americano, ou como os sobressaltos da divisa estado-unidenses que caracterizarão a travagem da Quantitative Easing 2 no segundo trimestre de 2011 serão as premissas de uma desvalorização maciça (da ordem dos 30% em algumas semanas).

Notas:

(1) Expressão americana que designa o núcleo político-administrativo de Washington, situado no interior da rodovia circular local, a Beltway.

(2) Desde machadadas nos orçamentos da acção internacional dos Estados Unidos até às reduções dos programas sociais, das organizações públicas e de categorias inteiras da população americana (latinos, pobres, estudantes, reformados, vão ser a partir de agora duramente afectados pelo que ainda não é senão uma gota de água nos ajustamentos necessários. Os protestos populares começam com os estudantes à cabeça. Fontes: House of Representatives , 13/04/2011; Devex , 11/04/2011; HuffingtonPost , 13/04/2011; Foxnews , 14/04/2011; Foxbusiness , 12/04/2011

(3) O sistema bancário mundial (Europa inclusive), sempre sub-capitalizado e amplamente insolvente, é igualmente um dos elementos desta Enorme Ruptura do Outono de 2011.

(4) No GEAB nº 55, nossa equipe apresentará suas antecipações sobre a questão do nuclear no mundo, incluindo a utilização do método de antecipação política como ferramenta de tomada de decisão neste assunto.

(5) A amplitude da crise orçamental no Reino Unido é infinitamente mais grave do que contam os actuais dirigentes britânicos que contudo se jactam de ter um discurso da verdade. Há de facto dois meios de mentir a um povo: negar a existência de um problema (a posição do Labour de Gordon Brown) ou então não confessar senão uma parte da verdade (visivelmente a escolha do tandem Cameron/Clegg). Em ambos os casos, o problema não é resolvido. Fonte: Telegraph , 26/03/2011

(6) E, a partir de agora e do estabelecimento definitivo da Eurolândia como principal motor europeu aquando da cimeira de 11 de Março último, os quatro países que não participam no pacto Eurolândia de estabilização financeira, ou seja, o Reino Unido, a Suécia, a Hungria e a República Checa, serão convidados a deixar a sala das cimeiras nas discussões sobre as questões financeiras e orçamentais ligadas ao pacto. O EUObserver de 29/03/2011 descreve o pânico que se apoderou das delegações destes quatro países cujos dirigentes desempenham o papel de brutamontes diante dos media e nos discursos destinados às suas respectivas opiniões públicas, mas que sabem muito bem que doravante estão encurralados num papel europeu de segunda classe.

(7) Font: Irish Times , 22/03/2011

(8) É preciso ler a respeito o artigo muito pertinente e muito divertido de Silvi Wadhwa, correspondente na Europa da CNBC, que ridiculariza o caricatural discurso anti-Eurolândia e anti-alemão dos seus colegas dos outros media anglo-saxões; e que recorda muito justamente que as diferenças de situações económicas são ainda mais importantes entre estados americanos do que no interior da Eurolândia e que os problemas de endividamento da Grécia ou de Portugal nada são quando comparados àqueles de um estado como a Califórnia. Fonte: CNBC , 12/04/2011

(9) Retornaremos mais especificamente ao caso britânico no GEAB nº 55, exactamente um ano após a vitória da coligação Conservadores/Liberais Democratas.

(10) Este protesto contra os cortes orçamentais constituiu a mais importante manifestação em Londres desde há mais de vinte ano e foi acompanhada de graves violência anti-ricos via ataques, por exemplo, contra o HSBC, o hotel Ritz ou a loja Fortnum & Mason. Como sublinhámos por diversas vezes no GEAB, é muitíssimo significativo constatar que esta manifestação histórica do Reino Unido praticamente não tenha se transformado em manchetes nos media, onde se tornou invisível 48 horas após o seu acontecimento. Quando milhares de cidadãos gregos ou portugueses se manifestam em Atenas ou em Lisboa, em contrapartida, temos direito a uma avalanche de imagens-choque e de comentários descrevendo países à beira do caos. Este dois pesos e duas medidas não devem enganar o observador lúcido. Por um lado, há graves dificuldades que doravante são geridas no seio de um conjunto poderoso, a Eurolândia; do outro, há grandes dificuldades que não conseguem mais ser geridas por um país completamente isolado. Acredite nos media ou então reflicta por si mesmo para adivinhar a sequência! Fonte: Guardian , 26/03/2011

(11) Fonte: Independent , 03/04/2011

(12) Além disso os mercados financeiros percebem e realmente já não acreditam na mensagem de austeridade marcial do governo britânico, arrastando de novo a libra esterlina numa espiral descendente. Fonte: CNBC , 12/04/2011

(13) Nick Clegg tornou-se o político mais odiado do Reino Unido por ter traído um a um quase todos os seus compromissos eleitorais. Fonte: Independent , 10/04/2011

(14) E empurrar as famílias britânicas para uma perda de poder de compra semelhante unicamente àquelas da crise do pós primeira guerra mundial, em 1921. Fonte: Telegraph , 11/04/2011

(15) Como fizeram os europeus desde 2010.

(16) Estimativa média feita pelo LEAP/E2020 em 2007/2008.

(17) Para além do comércio exterior tradicional, o gráfico abaixo mostra a amplitude da redução das transferências para os seus países de origem por parte dos trabalhadores emigrados nos Estados Unidos, devido à baixa do US dólar. Esta redução ainda vai ampliar-se mais a partir de Outono de 2011.

(18) No Estados Unidos, hoje é a visão diabólica que está amplamente imposta na opinião pública, ao contrário de 2008 em que os responsáveis do Fed pareciam ser o último recurso. Esta mudança psicológica, como sublinhámos, não é um pormenor e contribui fortemente para limitar a margem de manobra dos dirigentes do Fed. E não é a derrota judicial histórica do Banco Central dos EUA, que foi obrigado a revelar os destinatários das centenas de milhares de milhões de dólares de ajuda distribuídos após a crise da Wall Street de 2008, que vai obrigar melhorar esta situação, muito pelo contrário. Uma anedota simples, revelada pela revista Rollingstone, ilustra o agravamento das queixas do povo americano contra os seus banqueiros centrais: a título de beneficiários destas ajudas do Fed, encontram-se as mulheres de duas grandes figuras da Wall Street que criaram um instrumento sob medida permitindo-lhes receber US$200 milhões do Fed para recompra de créditos apodrecidos com os benefícios revertendo-lhe e as perdas indo para o Fed! Isto é infelizmente um exemplo dentre muitos outros que circulam actualmente na Internet e que romperam, já definitivamente, o respeito do povo americano para com a sua instituição monetária de referência. Uma situação explosiva no contexto da crise actual. Fonte: Rollingstone , 12/04/2011

(19) O destino do dólar, tal como o dos Títulos do Tesouro dos EUA, doravante no essencial está nas mãos dos operadores do resto do mundo que examinarão de maneira muito clínica a saída do Quantitativa Easing 2 que se impõe ao Fed no decorrer do segundo trimestre de 2011. É a sua opinião colectiva (já muito crítica), e não a comunicação do Fed, que será decisiva.

(20) Fonte: Politico , 04/04/2011

(21) Fonte: Boston Herald, 13/04/2011

(22) Fonte: Huffington Post , 11/04/2011

(23) E tanto mais que eles continuam a bater recordes de necessidades de financiamento para os seus défices, e que o défice previsto durante uma década pelos compromisso de Obama monta a US$9500 mil milhões. Por um lado, ele concebe políticas que aumentam o défice, por outro anuncia objectivos de redução. Realmente pouco crível. Fontes: CNBC , 13/04/2011; Washington Post , 18/03/2011

(24) Brown é uma personalidade americana original que tem uma longa experiência política uma vez que já foi governador da Califórnia de 1975 a 1983, e duas vezes candidato à investidura democrática para o posto de presidente dos Estados Unidos. A sua opinião sobre o estado de ruína do sistema político dos Estados Unidos não é portanto para tomar de ânimo leve. Fonte: CBS , 10/04/2010

(25) Àqueles que consideram a imagem ousada, nossa equipe recorda que uma das principais causas da Guerra de Secessão foi a visão irreconciliável do que devia ser o estado federal e o seu papel. Hoje, em torno das questões orçamentais, do papel do Fed, das despesas militares e das despesas sociais, vê-se novamente emergirem duas visões diametralmente opostas do que deve ser e fazer o estado federal, com o seu cortejo de bloqueios institucionais crescentes e um ambiente de ódio entre forças políticas. Já demos numerosas ilustrações nos GEAB anteriores. Fonte: Americanhistory

(26) Como qualificar de outra forma pessoas que, à custa de crises repetidas, conseguiram sacar algumas dezenas de milhares de milhões de um orçamento e que se põem agora a anunciar urbi et orbique amanhã vão sacar mais milhões de milhões de dólares destes mesmos orçamentos? Loucos ou mentirosos? De qualquer forma inconscientes, pois acumulam-se constrangimentos que em todos os casos exigem reduções de défices.

(27) As dívidas públicas mundiais estão no ponto máximo desde 1945 e, com 10,8% do PNB, os Estados Unidos tornaram-se o primeiro grande país em termos de défice público. Fontes: Figaro , 12/04/2011; Bloomberg , 12/04/2011

(28) A propósito dos BRIC (doravante BRICS, com a África do Sul), é muito interessante notar que a sua terceira cimeira, reunida na ilha tropical chinesa de Hainan, beneficia finalmente de uma cobertura mediática significativa da parte dos media ocidentais. Nós fizemos parte dos primeiros e das raras publicações ocidentais a mencionar a primeira cimeira (em Ekaterinenbourg) e a sublinhar a importância do acontecimento há três anos atrás mas, até o presente, a grande imprensa internacional persistia em considerar os BRICS como um simples acrónimo sem dimensão geopolítica séria. As coisas mudaram visivelmente. Além disso, desde a Líbia até o dólar, a cimeira de Hainan posicionou-se claramente em contrapeso aos Estados Unidos e seus procuradores (cada vez menos numerosos em relação ao que se passa na Líbia). Quanto ao dólar, os BRICS decidiram acelerar o processo que lhes permitirá utilizarem as suas próprias divisas no seu comércio: um outro sinal de que nos aproximamos muito rapidamente de um violento choque monetário. Fonte: CNBC , 14/04/2011

(29) Aqueles que ainda acreditam uma melhoria da situação económica americana, para além do efeito dopagem da Quantitative Easing 2, deveriam dar atenção à moral das PME nos Estados Unidos que recomeça a degradar-se fortemente e à ficção da melhoria no emprego que será brutalmente corrigida (mesmo nas estatísticas oficiais) a partir do Verão de 2011. E remetemos aos GEAB anteriores quanto à crise fiscal dos estados federados. Fontes: MarketWatch , 12/04/2012; New York Post , 12/04/2011

(30) Fonte: CNBC , 22/03/2011

15/Abril/2011

[*] Global Europe Anticipation Bulletin.

O original encontra-se em www.leap2020.eu/

Este comunicado encontra-se em http://resistir.info/ .

ARQUIVO UFO DA AERONÁUTICA

EDU DALLARTE

Aeronáutica tem arquivos com relatos de Ovnis


Reprodução de desenho de OVNI que consta nos arquivos secretos da aeronáutica


Durante a ditadura militar, o serviço de inteligência da Aeronáutica concentrou esforços na luta anticomunista, mas os interesses dos espiões não se limitavam a assuntos terrenos.

Nos arquivos secretos da Força Aérea Nacional (FAB) constam mais de 700 documentos, com cerca de 2.500 páginas, sobre supostos contatos visuais com objetos voadores não identificados (Ovnis).

Os documentos, que vinham sendo produzidos e mantidos em segredo desde a década de 50, estão liberados ao acesso público no Arquivo Nacional, em Brasília.

Alguns papéis foram liberados semana passada, quando o Arquivo Nacional abriu à consulta pública um lote de 50 mil documentos.

Há registros de lavradores, advogados, estudantes, caminhoneiros, pilotos e militares que dizem ter vistos Ovnis.

Um dos relatos mais antigos é o de um piloto de um avião da Varig. O comandante Nagib descreve detalhes de um objeto resplandecente que diz ter visto no fim da tarde de 6 de agosto de 1954, no Paraná.

“Na altura de Guaratuba avistei novamente forte luminosidade ainda à esquerda da aeronave, desaparecendo novamente. Após o través de Paranaguá, que se deu às 18h55 (local), avistei novamente a mesma luminosidade (aparentemente amarela) ainda à esquerda da aeronave”, escreveu Nagib, que disse ter ficado impressionado com o fenômeno e resolveu pousar em São Paulo.

Em outro relatório, Maria Alice da Silva, Dineia Duarte Fayad e Clarice da Silva e Ruth Morais Santanna, alunas da Fundação Educacional de Bauru, disseram ter visto um Ovni na noite de 21 de agosto de 1970, ao deixar Bauru, num fusca, rumo a Agudo.

No documento, os investigadores desenharam as formas do objeto, conforme as explicações das estudantes.

- Para os ufólogos, a liberação desses documentos é uma prova de que a Aeronáutica andou, de fato, investigando Ovnis - disse Pablo Franco, pesquisador do Arquivo Nacional.

Entre os documentos não constam as investigação sobre o ET de Varginha. Segundo Franco, essa apuração coube ao Exército, que não repassou os papéis ao Arquivo Nacional


Fonte: Extra Online

por trás da revolta na SIRIA

EDU DALLARTE
EUA teriam ajudado oposição na Síria, diz WikiLeaks

AE - Agência Estado

http://www.estadao. com.br/noticias/ internacional, eua-teriam- ajudado-oposicao -na-siria- diz-wikileaks, 708324,0. htm

Em meio à intensificação dos protestos contra o regime de Bashar Assad em diversas cidades da Síria, foram divulgados por meio do WikiLeaks documentos do Departamento de Estado dos EUA indicando que o governo americano financiava opositores sírios. Desde 2006, de acordo com os documentos que foram repassados ao Washington Post, os EUA concederam cerca de US$ 6 milhões para uma rede de TV denominada Barada, que é ligada a grupos opositores em Londres. O governo americano também teria financiado atividades da oposição dentro da Síria, mas não há informações sobre se esse apoio ainda ocorre.


O regime sírio utilizou os órgãos de imprensa estatais para repercutir a informação de que os EUA apoiam a oposição, com a agência de notícias Sana colocando a capa do Washington Post em seu site. Desde o início dos levantes, Assad vem dizendo que as manifestações são uma sabotagem organizada por forças estrangeiras. Apesar de uma aproximação nos últimos anos, as relações dos dois países é fria.


Mesmo depois de Assad se comprometer a levantar nas próximas semanas o estado de emergência, vigente desde 1963, os protestos continuaram ontem. Dezenas de milhares de manifestantes tomaram a praça principal de Homs, uma das maiores cidades da Síria.


O protesto em Homs ocorreu um dia depois de 14 manifestantes terem sido mortos por forças de segurança do regime, segundo relatos de opositores. Ao todo, mais de 200 morreram desde o início dos levantes. O governo nega envolvimento nas mortes e não há confirmação independente. Durante a manifestação em Homs, de onde veio grande parte dos imigrantes sírios para o Brasil, a população pedia a queda de Assad, em uma intensificação das reivindicações.


//////////// ///////// /


EUA dizem que não estão tentando enfraquecer governo sírio


(Reportagem de Tabassum Zakaria)

http://www.defesane t.com.br/ geopolitica/ noticia/652/ Oriente-Medio- --EUA-dizem- que-nao-estao- tentando- enfraquecer- governo-sirio

Os Estados Unidos não estão trabalhando para enfraquecer o governo sírio, mas tentam apoiar os objetivos democráticos como fazem em outros lugares do mundo, disse o Departamento de Estado norte-americano nesta segunda-feira.


Os comentários ocorreram após o jornal The Washington Post informar que o Departamento de Estado deu apoio financeiro secreto a grupos de oposição sírios, de acordo com documentos confidenciais divulgados pelo WikiLeaks.


"Tentar promover uma transformação para um processo mais democrático nesta sociedade não está necessariamente enfraquecendo o governo existente", disse o porta-voz do Departamento de Estado Mark Toner.


O presidente sírio, Bashar al-Assad, "precisa tratar as aspirações legítimas de sua gente", disse ele.


"Não estamos trabalhando para enfraquecer este governo", disse Toner em coletiva de imprensa, acrescentando que o governo norte-americano está trabalhando para promover processos democráticos na Síria e em outros locais no mundo.


"O governo sírio entende que este tipo de assistência como uma ameaça", afirmou.


Os documentos confidenciais mostram que o Departamento de Estado destinou até 6 milhões de dólares desde 2006 a um grupo de exilados sírios para operar uma emissora de TV baseada em Londres, a Barada TV, e financiar atividades dentro da Síria, disse o Post.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

EXPLOSÃO COSMICA

EDU DALLARTE

Explosão cósmica em galáxia distante intriga astrônomos

Posição da galáxia distante coincide com o centro da explosão, fotografada pelo Chandra

Três telescópios espaciais estudam o fenômeno, que pode ter sido causado pela destruição de uma estrela por um buraco negro.

Cientistas estão tentando desvendar uma extraordinária explosão cósmica ocorrida numa galáxia distante.

A explosão de raios gama foi observada em 28 de março pelo satélite Swift, da Nasa.

Esses eventos geralmente duram algumas horas, mas neste caso os efeitos ainda persistem – mais de uma semana depois, astrônomos continuam a ver a radiação aumentar e diminuir a partir da mesma fonte.

A explosão provavelmente foi causada por uma estrela que se viu despedaçada depois de chegar muito perto de um buraco negro supermassivo.

Desde a explosão, o Telescópio Espacial Hubble e o Observatório de Raios-X Chandra têm acompanhado os desdobramentos. O Hubble vai determinar se o núcleo da galáxia onde ocorreu o evento mudará de cor.

A galáxia em questão fica a 3,8 bilhões de anos-luz da Terra. Um ano-luz corresponde a cerca de 10 trilhões de quilômetros.


Fonte: IG

ARQUIVO X LIBERADO

EDU DALLARTE

FBI libera Arquivos X


O FBI (Federal Bureau of Investigation) liberou cerca de 2.000 arquivos da agência em cumprimento ao Freedom of Information Act.

Os novos arquivos incluem informações de segurança interna dos membros do Governo, investigações sobre Percepção Extrassensorial e detalhes sobre operações secretas contra grupos subversivos.
Entre os destaques:

Guy Hottel- Guy Hottel era um agente especial do FBI em Washington encarregado do Escritório de Campo. A informação relativa a Hottel é um memorando de 22 de março de 1950, enviado ao Diretor da agência sobre discos voadores.

Mutilação Animal-
Centenas de páginas de memorandos do FBI envolvendo mutilações de gado alegadamente causadas por extraterrestres.

Percepção Extrassensorial






Fonte:
Parapolitical

OVNIS NO CASAMENTO DO PRINCIPE WILLIAM?

EDU DALLARTE

Piloto aposentado diz que aliens podem aparecer na boda real


O casamento do Príncipe William e Kate Middleton pode receber convidados ilustres, informou o The Sun. Segundo um piloto da Força Aérea aposentado, aliens podem aparecer no enlace real.

O major George Filer disse orgulhoso que, não são apenas turistas de toda a parte do mundo que virão à Inglaterra para acompanhar o casamento, mas extraterrestres também devem pousar por lá. Segundo ele, ovnis são sempre avistados no céu durante grandes eventos.

"Eles parecem interessados em tudo o que é importante. Foram vistos na Líbia e perto de onde aconteceu a tsunami, no Japão", afirmou.

Filer disse também que a família real tem um interesse especial no assunto e isso dá mais força a sua tese.


George Filer


O piloto, que também é membro do National UFO Center, disse que conheceu o príncipe Philip, avô de William, e ele era fascinado pelo assunto. "Ele nos conheceu durante um jantar. O príncipe queria saber sobre os ovnis", afirmou.

O centro de pesquisas do major Filer diz receber mil sinais de aliens todo mês. William e Kate Middleton se casam no dia 29 de abril, na Abadia de Westminster, em Londres.


Fonte: Terra

O MAIOR TESOURO DA TERRA SANTA

EDU DALLARTE

Jordânia busca repatriação de relíquias tidas como maior descoberta da história cristã


O governo da Jordânia tenta repatriar livros feitos de chumbo que, segundo suspeitas de especialistas, parecem ser os mais antigos da história cristã, tendo sobrevivido quase 2 mil anos em uma caverna do país do Oriente Médio.

As relíquias, que estão atualmente em Israel, poderiam trazer à luz novos dados para nosso entendimento sobre o nascimento do cristianismo e sobre a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo.

O conjunto de cerca de 70 livros cada um com entre 5 e 15 folhas de chumbo presas por aros de chumbo foi aparentemente descoberto em um vale remoto e árido no norte da Jordânia, entre 2005 e 2007.



Uma enchente expôs dois nichos dentro da caverna, um deles marcado com um menorá, candelabro que é símbolo do judaísmo.

Um beduíno jordaniano abriu os nichos e o que encontrou ali dentro parece ser uma extremamente rara relíquia dos primórdios do cristianismo.

Essa é a visão do governo da Jordânia, que alega que os livros foram contrabandeados para Israel por outro beduíno.

O beduíno israelense que atualmente guarda os livros nega tê-los contrabandeado e alega que as antiguidades são peças que sua família possui há cem anos.

O governo jordaniano disse que fará todos os esforços, em todos os níveis para repatriar as relíquias.


Valor histórico


O diretor do Departamento de Antiguidades da Jordânia, Ziad Al-Saad, diz que os livros parecem ter sido feitos por seguidores de Jesus nas décadas seguintes a sua crucificação.

Talvez eles sejam mais significativos que os pergaminhos do Mar Morto (relíquias descobertas nos anos 1940 que contêm textos bíblicos), disse Saad.



Talvez eles precisem de mais interpretação e conferência de autenticidade, mas a informação inicial é muito animadora. Parece que estamos diante de uma descoberta importante e significativa, talvez a mais importante da história da arqueologia.

Ante alegações tão fortes, quais são as provas?

As folhas dos livros a maioria delas do tamanho de um cartão de crédito contêm textos escritos em hebraico antigo, a maior parte em código. Se as relíquias forem de fato de origens cristãs, em vez de judaicas, são de grande significado.

Um dos poucos a ter visto a coleção é David Elkington, acadêmico que estuda arqueologia religiosa e líder de uma equipe britânica empenhada em levar os livros a um museu na Jordânia.

Elkington alega que os livros podem ser a maior descoberta da história cristã de tirar o fôlego a ideia que tenhamos contato com objetos que podem ter sido portados pelos primeiros santos da Igreja.

O acadêmico diz que as relíquias contêm sinais que seriam interpretados, pelos cristãos da época, como imagens de Jesus e de Deus e da “chegada do messias.



Na capa de um dos livros vemos o menorá de sete ramificações, o que os judeus eram proibidos de representar porque ele residia no local mais sagrado do templo, na presença de Deus, explica Elkington. Assim, temos a vinda do messias para obter a legitimidade de Deus.


Imagens


Philip Davies, professor emérito de estudos do Velho Testamento da Universidade de Sheffield, afirma que a prova mais contundente da origem cristã das relíquias está em um mapa feito da cidade sagrada de Jerusalém.

Há uma cruz em primeiro plano e, atrás dela, está o que seria a tumba (de Jesus), um pequeno edifício com uma abertura e as muralhas da cidade. Outras muralhas representadas em outras páginas dos livros quase certamente se referem a Jerusalém, diz Davies, que afirma ter ficado estupefato com as imagens, claramente cristãs.

A cruz é o que mais chama a atenção dos especialistas, feita no formato de um T maiúsculo, como eram as cruzes que os romanos usavam para crucificações.

uma crucificação ocorrida fora dos muros da cidade, diz Davies.

Margaret Barker, especialista em história do Novo Testamento, ressalta que o local onde acredita-se que as relíquias tenham sido encontradas denota sua origem cristã e não puramente judaica.

Sabemos que, em duas ocasiões, grupos de refugiados dos distúrbios em Jerusalém rumaram a leste, atravessaram a Jordânia perto de Jericó e foram para perto de onde esses livros parecem ter sido achados.

Ela acrescenta que outra prova da proveniência cristà é que as relíquias são em formato de livros, e não de pergaminhos. Os cristãos eram particularmente associados com a escrita na forma de livros e guardavam os livros como parte da secreta tradição do início do cristianismo.

O Livro das Revelações se refere a esses textos guardados.

Outro possível elo com a Bíblia está contido em um dos poucos fragmentos de texto que foram traduzidos das relíquias. O fragmento, acompanhado da imagem do menorá, diz: Devo andar honradamente, frase que também aparece no Livro das Revelações.

Ainda que a frase possa simplesmente significar um sentimento comum no judaísmo, pode também se referir à ressurreição.


Testes


Não está esclarecido se todos os artefatos descobertos são parte do mesmo período, mas testes feitos no chumbo corroído dos livros indica que eles não foram feitos recentemente.

A arqueologia dos primórdios do cristianismo é especialmente esparsa ainda. Pouco se sabe dos desdobramentos após a crucificação de Jesus até as cartas escritas por Paulo, décadas mais tarde.

A história contida nas relíquias parecem ser, assim, a descoberta de maior escala até agora dessa época do cristianismo, em sua terra de origem e em seus primórdios.


Fonte: BBC

sábado, 9 de abril de 2011

O objetivo iluminatti da guerra na Libia

O objetivo iluminatti da guerra na Libia

O que eles querem não é ajudar o povo, isso é mentira.
O que as tropas da OTAN guiadas por iluminattis, pelo lobby do petroleo, empresa de armas e banqueiros, é destruir as peças que não se encaixam na nova ordem global como o Kadafi.

Eles estão usando apenas uma desculpa para criar o governo global.
Pode ver, não há só rebelião na Libia, ela ocorre em todo o mundo árabe, mas só na Libia há bombardeio em massa da OTAN.


mais uma vez eles manipulam o povo dizendo que estão salvando o mundo, mentira, querem controlar os estoques de petroleo e as demais riquezas da Libia, rumo ao governo mundial que estão planejando.
Saiba mais no nosso grupo.
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=19771491


nosso site é
www.lamech.com.br



O proximo alvo apos a derrubada de Kadafi é Chavez ou o Irã.

as potencias iluminattis não vão descansar sem que imponham o governo global, o suposto mundo globalizado, que só vai beneficiar uma elite poderosa.

ASTEROIDE ACOMPANHA A TERRA

EDU DALLARTE
A descoberta indica que este asteroide pode estar intimamente relacionado com a origem do nosso planeta.

Astrônomos descobrem asteroide que acompanha a Terra

Redação do Site Inovação Tecnológica - 07/04/2011

Astrônomos descobrem asteroide que acompanha a Terra
O asteroide SO16 tem um movimento orbital ao redor do Sol muito parecido com o da Terra - mas, quando visto da Terra, ele parece lentamente traçar um formato de ferradura no céu.[Imagem: RAS]

Astrônomos descobriram que um asteroide está seguindo a Terra em seu movimento ao redor do Sol, pelo menos durante os últimos 250 mil anos.

A descoberta, feita por cientistas do Observatório de Armagh, na Irlanda do Norte, indica que este asteroide pode estar intimamente relacionado com a origem do nosso planeta.

Ferradura espacial

O asteroide chamou a atenção dos astrônomos Apostolos Christou e David Asher logo depois que ele foi descoberto pelo observatório WISE, da NASA.

"Sua distância média do Sol é idêntica à da Terra", diz o Dr. Christou, "mas o que realmente me impressionou na época foi como a sua órbita se parece com a da Terra."

A maioria dos asteroides próximos da Terra têm órbitas muito excêntricas, em formato oval, o que os faz mergulhar rumo ao interior do Sistema Solar e depois se afastar - é isso o que os torna candidatos a uma colisão com os planetas.

Mas o novo asteroide, chamado 2010 SO16, é diferente. Sua órbita é quase circular. Assim, ele não pode chegar perto de qualquer outro planeta do Sistema Solar, à exceção da Terra.

O SO16 ocupa um estado de "ferradura" em relação à Terra.

Nesta configuração, um objeto tem um movimento orbital ao redor do Sol muito parecido com o da Terra - mas, quando visto da Terra, ele parece lentamente traçar um formato de ferradura no céu.

Terrafóbico

O asteroide SO16 leva 175 anos para fazer a viagem de uma ponta da ferradura até a outra.

Assim, embora por um lado a sua órbita seja muito semelhante à da Terra, na verdade "este asteroide é terrafóbico," explica Tolis.

"Ele se mantém bem longe da Terra. Tão longe, na verdade, que provavelmente ele está nesta órbita há centenas de milhares de anos, nunca tendo se aproximado do nosso planeta mais do que 50 vezes a distância até a Lua".

É neste ponto que ele está agora, perto do fim da ferradura.

Bibliografia:

A long lived horseshoe companion to the Earth
Apostolos A. Christou, David J. Asher
Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
May 2011
Vol.: In Press
http://arxiv.org/abs/1104.0036

AGUA LIQUIDA EM COMETAS

EDU DALLARTE
Esta é a segunda vez que os resultados coletados pela sonda Stardust alteram a teoria vigente sobre a formação dos cometas.

Encontrados sinais de água líquida em cometas

Redação do Site Inovação Tecnológica - 08/04/2011

Encontrados sinais de água líquida em cometas
Ao contrário do que se pensava, há um passado quente na história dos cometas, o que permitiu que eles contivessem água em estado líquido. [Imagem: NASA/JPL-Caltech]

Cientistas encontraram indícios de água líquida no passado dos cometas, desbancando a ideia de que eles nunca experimentaram calor suficiente para derreter o gelo que forma a maior parte de sua massa.

Poeira de cometas

Os pesquisadores fizeram a descoberta analisando grãos de poeira do cometa Wild-2, trazidos de volta à Terra pela sonda Stardust.

Lançada em 1999, a sonda Stardust capturou minúsculas partículas lançadas da superfície do cometa em 2004, usando um material super leve, chamado aerogel, e as trouxe de volta à Terra em uma cápsula que aterrissou no estado de Utah, nos Estados Unidos, dois anos depois.

Esta é a segunda vez que os resultados coletados pela Stardust alteram a teoria sobre a formação dos cometas:

Minerais dão sinais de água líquida

"Na nossa amostra, encontramos minerais que se formam na presença de água líquida," afirma Eva Berger, da Universidade do Arizona, que liderou o estudo. "Em algum ponto da sua história, o cometa conteve 'bolsas' de água."

Os cometas são frequentemente chamados de "bolas de neve sujas" porque são formados principalmente de água congelada, salpicada de fragmentos de rochas e gases congelados.

"Quando o gelo derreteu no Wild-2, a água quente resultante dissolveu minerais que estavam presentes naquele momento, precipitando os minerais na forma de sulfetos de ferro e cobre que observamos em nosso estudo", diz Dante Lauretta, coautor do estudo. "Os sulfetos se formaram entre 50 e 200 graus Celsius, muito mais quente do que as temperaturas abaixo de zero previstas para o interior de um cometa."

Ao contrário dos asteroides, pedaços extraterrestres formados por rochas e minerais, os cometas apresentam uma cauda formada por jatos de gás e vapor que o fluxo de partículas de alta energia vindas do Sol arranca de seus corpos congelados.

Mas os resultados da sonda Stardust também já haviam mostrado que há similaridades entre asteroides e cometas.

Encontrados sinais de água líquida em cometas
Os pequenos riscos no aerogel foram causados pelas partículas do cometa, capturadas quando a sonda Stardust voou através de sua cauda. [Imagem: NASA/JPL-Caltech]

Temperatura máxima no cometa

A descoberta dos sulfetos minerais de baixa temperatura é importante para a compreensão de como cometas se formaram - o que, por sua vez, dá informações sobre a origem do Sistema Solar.

Além de fornecer evidências de água líquida, os ingredientes descobertos colocam um limite superior para as temperaturas que Wild-2 encontrou desde sua origem e ao longo de sua história.

"O mineral que encontramos - cubanita - é muito raro em amostras vindas do espaço", diz Berger. "Ele existe em duas formas, e a que encontramos só existe abaixo de 210 graus Celsius. Isto é emocionante porque nos diz que esses grãos não foram submetidos a temperaturas mais elevadas do que isso."

Cubanita é um sulfeto de ferro e cobre também é encontrado na Terra, em depósitos de minério expostos às águas subterrâneas aquecidas, e em um determinado tipo de meteorito.

Dois cometas

Depois de terminar sua visita ao cometa Wild 2, a sonda Stardust ainda tinha combustível nos tanques, o que fez a NASA redirecionar sua órbita para que ela pudesse observar um segundo cometa, o Tempel 1.

Esta visita permitiu que os cientistas tivessem uma imagem precisa da cratera feita nesse cometa por uma outra sonda espacial, chamada Impacto Profundo.

Bibliografia:

Evidence for aqueous activity on comet 81P/Wild 2 from sulfide mineral assemblages in Stardust samples and CI chondrites.
E. L. Berger, T. J. Zega, L.P. Keller, D. S Lauretta
Geochimica e Cosmochimica Acta
May 2011
Vol.: In Press

GRANDE SEGREDO OCULTO PELA NASA

EDU DALLARTE
A NASA convocou toda a sua cavalaria astronômica para tentar entender um fenômeno nunca antes visto no céu.

Telescópios espaciais unem-se para explicar explosão variável

Redação do Site Inovação Tecnológica - 08/04/2011

Telescópios espaciais unem-se para explicar explosão variável
O gráfico mostra as mudanças no brilho do evento, gravados pelo telescópio de raios X Swift.[Imagem: NASA/Swift/Penn State/J. Kennea]

Erupções de raios gama

A NASA convocou toda a sua cavalaria astronômica para tentar entender um fenômeno nunca antes visto no céu.

Os telescópios espaciais Hubble, Swift e Chandra X-ray juntaram-se para estudar uma das explosões cósmicas mais intrigantes já observadas - uma super explosão pulsante.

Mais de uma semana depois de seu início, a radiação de alta energia que caracteriza o corpo celeste continua a brilhar e esmaecer, seguidamente.

Geralmente, as erupções de raios gama marcam a destruição de uma estrela maciça, mas as emissões desses eventos nunca duram mais do que algumas horas.

Os astrônomos afirmam que nunca viram nada assim tão brilhante, duradouro e variável antes.

Buraco negro giratório

Embora a pesquisa ainda esteja em curso, os astrônomos afirmam que a explosão incomum provavelmente surgiu quando uma estrela passou muito próximo ao buraco negro central da sua galáxia.

Intensas forças de maré destruíram a estrela, e seus remanescentes continuam a fluir em direção ao buraco negro.

Segundo este modelo, o buraco negro giratório formou um jato efluente ao longo do seu eixo de rotação.

O fenômeno estaria sendo observado porque esse jato, que produz uma poderosa explosão de raios X e gama, está apontado na direção da Terra.

O evento, catalogado como GRB 110328A - de gamma-ray burst (erupção de raios gama) -, foi descoberto no dia 28 Março, na constelação do Dragão.

https://www.amazon.com.br/dp/B06XX75VKJ